Você Sabia?

publicidade
08 de setembro de 2011 • 09h32 • atualizado às 11h04

Tubarão de 20 m ainda pode existir nos oceanos?

Megalodon foi o maior tubarão descoberto
Foto: Getty Images
 

Ele era um monstro. Alguns cientistas acreditam que poderia atingir os 20 m de comprimento e a reconstrução de uma mandíbula indica que a boca do animal poderia ter cerca 3 m de largura. O megalodon (Carcharodon megalodon), em suma, era capaz de botar qualquer tubarão-branco (Carcharodon carcharias) para correr. Mas esse gigantesco predador, cujos registros fósseis vão a até cerca de 1,6 milhão de anos atrás, ainda poderia existir nos nossos mares, escondido nas profundezas?

Por que os cães cheiram os rabos uns dos outros? Veja dúvidas sobre animais

A opinião do professor de biologia Marcelo Rodrigues de Carvalho, da Universidade de São Paulo, é de que certamente não. Carvalho afirma que o que sabemos sobre o megalodon é baseado praticamente apenas em dentes e algumas vértebras, que são as partes do animal que fossilizavam. "Ainda existem muitas coisas a serem descobertas, mas um predador desse porte (ainda existir) é muito difícil", diz o pesquisador.

Carvalho compara a especulação com a descoberta do tubarão-boca-grande (Megachasma pelagios). Este animal também é grande (alcança 6 m) e foi descoberto apenas em 1976, quando um espécime foi visto nadando no Havaí. Ponto a favor dos defensores de que o megalodon ainda existe? Há uma característica bem diferente nos dois casos: o megalodon era um predador, o que indica que, assim como o tubarão-branco, ele precisa viver em águas mais rasas, onde há mais presas. Já o tubarão-boca-grande vive em águas profundas, por isso é dificilmente visto (existem cerca de 50 registros do animal em todo o mundo). Além disso, os lugares onde os fósseis são achados também eram de mar pouco profundo na época em que os dentes e vértebras se fossilizaram.

"Um tubarão daquele tamanho realmente precisaria comer bastante para sobreviver. Um tubarão-branco (espécie bem parecida com o megalodon) pode comer uma vez por semana, uma vez até cada 10 dias, mas quando come, come bastante", diz o pesquisador.

Outra comparação é com o peixe celacanto - do qual se conhecem pelo menos duas espécies: Latimeria chalumnae e Latimeria menadoensis. Este animal pertence a uma linhagem que se acreditava estava extinta havia 65 milhões de anos. Contudo, a espécie é bem menor (com até 1,8 m) e é adaptada a viver em águas profundas.

Carvalho afirma que é difícil acreditar na existência de um megalodon vivo. "Um predador grande vivendo no fundo do mar seria o equivalente a plesiossauro (grupo extinto de répteis marinhos) vivendo no lago Ness. Eu duvido muito deste, mas do megalodon eu duvido mais ainda", diz o pesquisador.

Terra Terra