publicidade

Qual o real risco de morte em um acidente aéreo?

Dados estatísticos apontam que a chance de sobrevivência em um acidente aéreo é de, no mínimo, 90%
Foto: Getty Images
 

Os sobreviventes de acidentes aéreos são tidos como tão raros que são tratados como participantes e testemunhas de uma espécie de milagre. Mas será que o risco de morte em um acidente dentro de um avião é tão alto assim?

Em um primeiro momento, tudo indica que sim. Em quedas ou colisões - sejam no ar com outro avião ou em terra com prédios, por exemplo - a impressão que se tem é que dificilmente alguém sairá vivo. Porém, dados estatísticos em diversas pesquisas apontam que a chance de sobrevivência em um acidente aéreo é de, no mínimo, 90%.

Segundo Carlos Camacho, diretor do Sindicato Nacional dos Aeronautas, "o lugar mais seguro para escapar de um acidente é o fundo da aeronave. Estatísticas apontam que a quantidade de vítimas entre as pessoas sentadas na região que vai das asas à cauda do avião é menor".

Um estudo realizado no Reino Unido diz que a probabilidade de um acidente aéreo é de um a cada 67 mil voos, e que a chance de um acidente com morte ocorrer é de um para cada 345 mil voos. Já estudo realizado nos Estados Unidos, pelo Departamento Nacional de Segurança nos Transportes, analisou todos os acidentes aéreos ocorridos entre 1983 e 2000 e descobriu que de 53.487 pessoas envolvidas em acidentes, 51.207 sobreviveram.

Neste mesmo estudo, calculou-se que, caso as pessoas, ao entrarem no avião, observassem as normas de emergência e memorizassem a distância que ficarão das saídas emergenciais, aproximadamente 600 pessoas a cada 1,5 mil vítimas mortais poderiam ter sobrevivido.

Empresas aéreas têm como base o dado de que 80% de todos os acidentes de avião ocorrem durante 11 minutos do voo: os três primeiros e os oito últimos. "O momento mais crítico de um voo é a decolagem. Como o motor esquenta, é mais fácil ocorrer algum problema", diz Camacho. Em média, é de 90 segundos o tempo máximo que será possível escapar em caso de ocorrência de um desastre. Em caso de incêndio no motor, por exemplo, estes são os segundos em que o fogo demorará a atravessar a estrutura que protege os passageiros.

"Um problema conhecido é quando um pássaro é sugado pelas turbinas. Como no caso ocorrido em janeiro de 2009, em Nova York. Isso ocorre geralmente na decolagem, colaborando para que este momento seja o mais crítico", completou Camacho.

A impressão de que a morte em um acidente é certa existe porque os acidentes divulgados na mídia são os mais desastrosos, com mais mortes. Cria-se a sensação de que a sobrevivência é impossível.

Outros fatores podem ajudar na sobrevivência. Um estudo do Instituto de Tecnologia de Massachussetts, Estados Unidos, mostra que as chances de um passageiro não sobreviver em um voo de companhia aérea de países mais pobres é sete vezes maior do que em um voo de uma companhia de um país mais rico.

O Brasil é incluído no primeiro caso, onde estatísticamente um acidente no qual todos os passageiros perdem a vida ocorre a cada 2 milhões de voos. No caso dos países ricos, o índice vai para um acidente sem sobreviventes a cada 14 milhões de voos.

Redação Terra