Comece desde já a preparar-se para o vestibular

11 fev 2009
09h46
atualizado às 10h17

O ano mal começou, mas já é tempo de pensar no vestibular de 2010. Se este será seu primeiro concurso, vale investir na preparação, mesmo que ainda nem tenha escolhido o curso que tentará fazer.

Já é tempo de pensar no vestibular de 2010
Já é tempo de pensar no vestibular de 2010
Foto: Getty Images

» Como ajudar o filho vestibulando

Se você foi reprovado nos exames deste ano, é hora de avaliar os pontos fracos e intensificar os estudos para a sonhada aprovação no ano que vem. Quem passou em vestibulares das grandes universidades brasileiras sabe que, mesmo com todas as dificuldades, nada é impossível.

E o segredo, segundo os universitários e os próprios professores, é só um: muito estudo, com dedicação e concentração. "O aluno tem de estudar o tempo inteiro, na aula e fora dela. A aula ensina o caminho, mas aprender é um ato individual", diz Léo Paulo de Assis, coordenador do pré-vestibular do COC Ribeirão Preto.

A organização de uma rotina de estudos é fundamental para alcançar a aprovação. "Mesmo o aluno que tem todo o tempo livre, se não se organizar e se concentrar, não estuda. Ou seja, um aluno que tem três horas por dia para estudar, com qualidade, poderá ter mais condição de passar do que outro aluno que tem o dia todo, porém, sem qualidade", analisa Alessandra Venturi, coordenadora pedagógica do cursinho da Poli.

A seguir, confira algumas dicas dadas por Léo, Alessandra e Vera Lúcia da Costa Antunes, coordenadora do Colégio e Curso Objetivo, para quem vai se preparar para encarar vestibulares pelo país afora em 2010.

Se você vai fazer cursinho
Modalidades: Os pré-vestibulares oferecem diferentes modalidades de curso. Os mais comuns são o extensivo, com início no começo do ano, e o intensivo, que começa no segundo semestre.

A decisão sobre qual fazer é de cada vestibulando, que vai pesar seus conhecimentos, tempo para freqüentar as aulas e as condições financeiras para investir no estudo.

Geralmente, o extensivo é recomendado para o aluno que terminou a escola e não passou no vestibular e para aquele que considera que não teve uma boa base nos dois primeiros anos do Ensino Médio e consegue conciliar com o terceiro.

"O aluno que precisa de mais base poderá (no extensivo) ter mais tempo para estudar, tirar suas dúvidas, realizar redações e receber as correções, participar de grupos de orientação de estudo ou receber uma orientação individual de estudo com psicólogas ou a coordenação pedagógica", detalha Alessandra Venturi.

O intensivo é indicado para quem estudou os primeiros meses do ano sozinho ou com uma escola boa - o curso serve mais para relembrar, arquivar o conhecimento do que para aprender. Há ainda alguns pré-vestibulares que oferecem o semi-intensivo, ideal para "quem tem um bom conhecimento, estava fazendo um curso superior ou passou muito tempo sem estudar e quer relembrar os conteúdos", segundo Léo Paulo de Assis.

Rotina de estudos: É importante começar a estudar em casa desde o primeiro dia de aula, enfatiza Vera Lúcia da Costa Antunes. Depois de assistir às aulas do cursinho pela manhã, o vestibulando deve revisar a matéria sozinho.

A professora sugere que o aluno marque as dúvidas enquanto lê os conteúdos e resolve os exercícios. Se não solucioná-las estudando, é fundamental levá-las para o professor. Se, além do cursinho, o estudante ainda estiver na escola, terá duas chances para resolver os problemas que surgirem.

"Aula dada, aula estudada", repete o professor Léo Paulo de Assis, como um mantra. Ele reforça ainda que, para não bagunçar a rotina de estudos, o vestibulando não deve estudar hoje o conteúdo dado na aula de ontem.

"Nesses casos, quando o aluno não pode estudar o que viu na aula naquele dia, deve deixar para retomar no fim de semana, por exemplo, tomando cuidado para não acumular estudo atrasado", diz. Dessa forma, o aluno estuda todas as disciplinas na semana, acompanhando o ritmo das aulas. Alessandra Venturi recomenda que, sempre que possível, o aluno dê uma lida nos conteúdos da aula que for ter no dia, antes de assisti-la.

Redação e simulados: Cada cursinho tem uma periocidade para pedir redações dos alunos e para aplicar simulados. No caso da redação, o mais comum é que o vestibulando escreva uma por semana.

A produção de textos ajuda o aluno a se preparar para a redação, mas também a resolver provas dissertativas e até a interpretar melhor os enunciados. "Quem sabe ler e escrever resolve metade dos problemas. É importante saber transformar conhecimento em algo escrito", destaca Léo Paulo de Assis.

Os simulados, de maneira geral, ocorrem mensalmente. Além de testar os conhecimentos, o vestibulando vai se acostumando com o tempo para resolver as provas.

Se você não vai fazer cursinho
Modalidades: Existem escolas e pré-vestibulares que oferecem o terceiro ano do Ensino Médio turbinado com a revisão dos anos anteriores, chamado de terceirão.

O aluno que tem esse tipo de aula se prepara como se estivesse fazendo cursinho. Caso a opção seja por um terceiro ano comum, o vestibulando terá de rever o primeiro e o segundo anos com conta própria, em casa, o que exige ainda mais organização e disciplina para conseguir vencer os conteúdos. Quem vai se preparar sozinho, sem escola e sem cursinho, terá ainda mais um ano de conteúdos para estudar.

"Se o aluno não for fazer cursinho, recomendamos que ele faça um simulado ou tente resolver provas anteriores, para que ele possa ter condições de saber por onde começar, de acordo com o curso que for fazer", indica Alessandra Venturi.

Rotina de estudos: Na internet, é possível conseguir material de cursinhos e provas de vestibulares, além dos programas de conteúdos cobrados pelas universidades nos exames. Muitos pré-vestibulares vendem as apostilas para quem não é aluno dos cursos.

Sabendo que conteúdos estudar, o aluno deve criar uma rotina e segui-la com disciplina, já que não terá alguém para cobrá-lo sobre os conteúdos do vestibular.

"Não existe uma regra, mas uma forma mais tranqüila de estudar de acordo com a rotina da diária de cada um, que depende do tempo que o aluno tem para estudar. O tempo em relação à quantidade não é mais importante, mas ajuda", diz Alessandra Venturi. Vera Lúcia da Costa Antunes sugere que o aluno não deixe de estudar todas as disciplinas por semana.

Redação e simulados: Para quem está no terceiro ano, os professores de português costumam pedir várias redações. O aluno que se prepara apenas com a escola deve aproveitar cada oportunidade de produzir textos e tirar dúvidas na sala de aula.

Quem estuda sozinho também deve escrever bastante em casa. Vale mostrar suas redações para conhecidos que entendam sobre produção de texto e aprender com exemplos de redações bem pontuadas em pesquisas na internet ou em apostilas - o que, segundo os professores, nunca vai substituir a avaliação de textos por um profissional acostumado às cobranças das universidades.

Grande parte dos simulados feitos nos cursinhos pré-vestibulares são abertos a estudantes de fora. O candidato deve ficar ligado na agenda dos cursinhos, se quiser participar das provas. Na internet, é fácil encontrar simulados, inclusive resolvidos e com comentários.

Para todos os vestibulandos
Rotina é fundamental
"Hora de estudar é sagrada", sentencia Vera Lúcia da Costa Antunes. Ao estabelecer um cronograma de estudos, leve em considerando quanto de conteúdo pode ser visto por dia, para não ficar sobrecarregado.

No horário estabelecido para se dedicar aos livros, não vale fazer outras coisas. "Mesmo quando não tiver vontade de estudar, tem de estudar. Não ainda ficar dando desculpas para si mesmo", enfatiza Léo Paulo de Assis.

Não esqueça que é humano
Para manter o corpo e a mente saudáveis para o estudo, é importante se alimentar bem, respeitar o horário de sono e, se possível, praticar algum esporte.

"Também tem que passear no fim de semana, namorar, fazer as atividades que todo mundo faz", diz Léo Paulo de Assis.

O conforto na hora dos estudosé outro fator é fundamental. O ideal é ter um cantinho na casa com cadeira e mesa confortáveis, além de iluminação adequada, para se concentrar.

Estudo não é só livro
Além de todos os livros e apostilas com os conteúdos exigidos pelas universidades, há outras formas de aprender para o vestibular. Os jornais diários trazem informações sobre a atualidade.

As provas costumam trazer questões sobre assuntos abordados pela imprensa, como relações internacionais, ecologia e economia. Também é interessante - e até divertido - assistir a filmes históricos.

O foco pode mudar
Ao longo do ano, enquanto se prepara para a maratona de provas, o vestibulando vai identificar quais as matérias que tem maior dificuldade. O cronograma de estudos pode ser reajustado para que se possa dedicar mais tempo aos pontos fracos.

Quem já fez vestibular pode começar o ano com um reforço naquelas disciplinas cujo desempenho foi insuficiente. Se houver pesos diferentes nas provas, também vale reforçar as que valem mais. Claro, sem deixar de estudar nada.

Fonte: Redação Terra

compartilhe

publicidade