Unidades do colégio federal Pedro 2º entram em greve no Rio

15 ago 2011
17h01
atualizado às 17h02

Os professores e funcionários do colégio federal Pedro 2º, no Rio de Janeiro, entraram em greve nesta segunda-feira para cobrar reajuste salarial e mais investimentos do governo federal na educação. A mobilização faz parte do movimento nacional dos servidores da educação básica e tecnológica.

De acordo com o coordenador do Sindicato dos Servidores do Colégio Pedro 2º (Sindscope), Selmo Nascimento da Silva, a mobilização contou com uma participação de 70% dos professores e servidores no primeiro dia de greve. O colégio conta com 10 mil alunos e 1,9 mil servidores em 15 unidades de ensino.

Entre as reivindicações da categoria está o reajuste de 14,7%, a destinação de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) do País para a educação e a realização de concurso público. "Também estamos nos mobilizando contra o corte nos investimentos feito pelo governo da presidente Dilma Rousseff de R$ 3 bilhões na educação", disse Silva.

Segundo o coordenador do sindicato, os servidores participaram de uma audiência no final de julho com o Ministério do Planejamento para apresentar as propostas. "Como não recebemos nenhum indicativo de que nossas reivindicações seriam atendidas e não foi marcada uma nova reunião, decidimos iniciar a mobilização", afirmou. Na quinta-feira os servidores devem realizar uma assembleia para definir os rumos da greve.

Os professores do Estado do Rio de Janeiro fizeram uma manifestação atípica na manhã deste domingo: enterraram seus contracheques na praia
Os professores do Estado do Rio de Janeiro fizeram uma manifestação atípica na manhã deste domingo: enterraram seus contracheques na praia
Foto: Futura Press
Fonte: Terra
publicidade