Secretaria: caso de alunas barradas por usar saia foi mal entendido

27 set 2012
19h32

Ana Lima Freitas
Direto do Recife

Uma britânica de 13 anos foi repreendida na escola por usar sapatos de "cores erradas"
Uma britânica de 13 anos foi repreendida na escola por usar sapatos de "cores erradas"
Foto: The Grosby Group

A Secretaria de Educação de Pernambuco disse nesta quinta-feira que o fato de alunas evangélicas terem sido barradas na porta de uma escola pública em Olinda não passou de um mal entendido. O fato aconteceu na quarta-feira na Escola Padre Francisco Carneiro, no bairro de São Benedito. As garotas estudam no segundo e terceiro anos do ensino médio e foram impedidas de entrar na unidade de ensino pelo porteiro da escola porque estavam usando saias. As meninas são evangélicas da Igreja Assembleia de Deus.

Segundo o secretário de Educação do Estado, Anderson Gomes, o porteiro da escola teria se equivocado ao impedir a entrada das estudantes. A polêmica começou porque o diretor da unidade decidiu restringir o uso de shorts e saias curtas na escola. De acordo com a secretaria, o porteiro teria compreendido que deveria barrar todo tipo de saia.

"O que aconteceu não tem nada a ver com questões religiosas. Foi uma situação inusitada, nunca aconteceu, foi pontual e, certamente, serviu de aprendizado", disse Anderson Gomes. A Secretaria de Educação disponibiliza a todos os alunos da rede pública camisa e mochila e recomenda o uso de calça jeans e tênis.

Fonte: Especial para Terra
publicidade