SC: em greve há 40 dias, professores protestam com 'panelaço'

28 jun 2011
19h22
Fabrício Escandiuzzi
Direto de Florianópolis

Em greve há 40 dias, os professores da rede estadual de ensino de Santa Catarina realizaram um "panelaço" diante da secretaria de estado da Educação, no centro de Florianópolis, na tarde desta terça-feira. Cerca de mil professores, de acordo com os cálculos da Polícia Militar, caminharam pelo centro de cidade e pararam diante do prédio da secretaria.

A Polícia Militar calcula que cerca de mil professores participaram
A Polícia Militar calcula que cerca de mil professores participaram
Foto: Fabrício Escandiuzzi / Especial para Terra

Acompanhados por um trio elétrico, os grevistas pediram a saída do secretário da pasta, o engenheiro Marco Tebaldi (PSDB). Após caminharem por várias ruas do centro e passarem pelo prédio da Assembleia Legistativa, os professores pararam diante da secretaria.

Com muitos cartazes e inclusive participação de pais de alunos matriculados na rede estadual, os professores gritaram, apitaram e chegaram a promover danças de quadrilha. Com panelas e frigideiras na mão, os manisfestantes fizeram muito barulho e chegaram a "batucar" nas grades do prédio público.

De acordo com a PM catarinense, não houve maiores incidentes durante o manifesto. A cordenação do Sindicato de Trabalhadores da Educação de Santa Catarina informou que o ato contou com a participação de professores da região metropolitana e de cidades como Criciúma, Chapecó, Itajaí e Joaçaba.

O governo do Estado e os professores seguem em impasse sobre o reajuste salarial desde o mês passado. A classe exige o pagamento do piso nacional e a manutenção dos benefícios existentes até agora. O poder público, por outro lado, admite pagar o piso, mas enviou uma medida provisória à Assembleia Legislativa que acaba diminuindo vários percentuais dos adicionais da categoria.

O governador Raimundo Colombo determinou o corte dos dias parados no salário dos servidores na semana passada. Dias depois, voltou atrás. Para tentar salvar o ano letivo de cerca de 700 mil alunos, uma nova rodada emergencial de negociações está marcada para as 22h desta terça-feira.

Fonte: Especial para Terra

compartilhe

publicidade