RS: após reunião, manifestantes desocupam sala da Assembleia

Estudantes e professores que estavam no local desde ontem desocuparam antessala da Presidência da Assembleia depois que audiência foi agendada

11 set 2013
13h07
atualizado às 13h24
  • separator
  • comentários

Estudantes e professores integrantes do Centro Estadual dos Professores do Rio Grande do Sul (Cpers-Sindicato) e da Comissão de Educação do Bloco de Lutas pelo Transporte Público desocuparam a antessala da Presidência da Assembleia Legislativa do Estado por volta das 10h desta quarta-feira. O local foi ocupado na tarde de ontem.

Estudantes e professores deixaram o prédio da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul nesta manhã
Estudantes e professores deixaram o prédio da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul nesta manhã
Foto: Karine Viana / Divulgação

Os manifestantes deixaram o local em virtude da audiência agendada para esta manhã, cumprindo o que foi acordado na noite anterior, após reunião com o presidente da Casa, deputado Pedro Westphalen (PP). Antes de deixar a antessala da Presidência, eles leram um documento, intitulado Nota de Esclarecimento à Comunidade Escolar, que explica os motivos que levaram o grupo a permanecer na Assembleia Legislativa. A nota foi elaborada pelos manifestantes durante a ocupação.

As reivindicações incluem o passe livre sem distinção - a Assembleia discute um projeto de passe livre intermunicipal para estudantes -, fim do ensino médio politécnico e o pagamento do piso nacional do magistério.

Greve dos professores no Rio Grande do Sul
Os docentes, em greve desde o dia 26 de agosto, cobram o cumprimento da lei do piso, que prevê um salário básico (sem as vantagens) de R$ 1.567 para uma jornada de 40 horas semanais. Atualmente, o Estado paga o pior salário aos seus professores em comparação com o resto do País – um docente com o ensino médio recebe R$ 977,05. O governo argumenta que, embora não cumpra o piso, aprovou reajustes que chegarão a 76,68% em quatro anos.

O governo estadual pressiona pela manutenção das atividades com o corte do ponto de quem aderir ao movimento. A última paralisação por tempo indeterminado realizada pelos professores ocorreu em 2011, contra a reforma do ensino médio.

<a data-cke-saved-href="http://noticias.terra.com.br/educacao/infograficos/quanto-ganha-um-professor-no-brasil/iframe.htm" href="http://noticias.terra.com.br/educacao/infograficos/quanto-ganha-um-professor-no-brasil/iframe.htm">veja o infográfico</a>
Fonte: Informações da Agência de Notícias ALRS Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade