PUBLICIDADE

Repetência prejudica qualidade da educação e encarece o ensino

13 jul 2011 11h06
| atualizado às 11h44
Publicidade

A alta porcentagem de repetência acarreta maus resultados acadêmicos, além de encarecer o sistema educacional, segundo conclusões de um estudo da OCDE publicado nesta quarta-feira com os resultados do Pisa (sigla, em inglês, para Programa Internacional de Avaliação de Alunos), que apontam que em média 40,1% dos alunos brasileiros repetiram o primário e o Ensino Médio.

Os países nos quais a taxa de repetentes era a mais alta, eram também aqueles nos quais seus alunos obtiveram os piores resultados nas provas do Pisa de 2009 e 15% desses maus resultados se atribuem precisamente ao fenômeno da repetição, destacou a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Além disso, onde há mais repetentes, se dá uma maior associação entre maus resultados e os grupos socioeconômicos mais desfavorecidos. A porcentagem média de alunos que tinham repetido o primário e o Ensino Médio na OCDE era em 2009 de 13%, mas alguns países superavam a cota de 25%, como Holanda (26,7%), Bélgica (34,9%), Portugal (35%), Espanha (35,3%), Luxemburgo (36,5%) e França (36,9%).

Também superaram esse índice de 25% outros países associados ao relatório Pisa: Peru (28,1%), Trinidad e Tobago (28,8%), Panamá (31,8%), Argentina (33,8%), Colômbia (33,9%), Uruguai (38%), Tunísia (43,2%) e Macau (43,7%).

No extremo oposto, a repetição não existia no Japão, Coreia do Sul e Noruega, e os repetentes eram menos de 3% na Islândia (0,9%), Eslovênia (1,5%), Taiwan (1,6%), Azerbaijão (1,7%), Cazaquistão (1,7%), Montenegro (1,8%), Sérvia (2%), Reino Unido (2,2%), Croácia (2,8%) e Finlândia (2,8%).

Mas além da ineficácia acadêmica, repetir tem um alto custo pela necessidade de financiar um ano suplementar da formação de um aluno, mas também o atraso em sua saída ao mercado de trabalho.

Os autores do estudo, calcula-se que a Bélgica tem a maior despesa em educação, em 13%, seguida pela Holanda, com 11%, Espanha com 10% e Alemanha com 8%, enquanto diversos países investem menos de 2% para o ensino.

O estudo também põe em evidência que os países nos quais se transferem alunos a outros centros por seus baixos resultados escolares, problemas de disciplina e necessidades pedagógicas específicas têm resultados acadêmicos globais desfavoráveis.

Concretamente, mais de um terço das diferenças nas notas do Pisa entre países está relacionado com essas transferências, que "tendem a favorecer uma segregação sócio-econômica" e a concentrar aos estudantes de origens desfavorecidos nos centros com médias mais baixas.

De acordo com a conclusão da OCDE, os professores de sistemas educacionais nos quais se recorre abundantemente à repetição ou à transferência a centros especiais dos alunos com dificuldades têm menos incitações para ajudar-lhes.

Crianças de rua recebem alimento e educação em uma escola mantida pelo Programa Mundial de Alimentos e por uma agência de ajuda humanitária do Afeganistão; sem espaço para todos, alguns alunos sentam no chão para acompanhar os ensinamentos
Crianças de rua recebem alimento e educação em uma escola mantida pelo Programa Mundial de Alimentos e por uma agência de ajuda humanitária do Afeganistão; sem espaço para todos, alguns alunos sentam no chão para acompanhar os ensinamentos
Foto: AP
EFE   
Publicidade