Professores municipais de SP decidem manter greve

13 mai 2014
22h30
atualizado às 22h33
  • separator
  • 0
  • comentários

Os professores da rede municipal de São Paulo decidiram nesta terça-feira manter a greve, que teve início em 23 de abril. Nesta terça-feira à tarde, os professores fizeram assembleia em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp) e saíram até a sede da prefeitura. A caminhada, que passou pela avenida Paulista e pela rua da Consolação, complicou o trânsito na região. Na frente da prefeitura, os professores fizeram um ato e encerraram a manifestação, por volta das 18h.

Segundo a Polícia Militar, a manifestação foi pacífica e atraiu cerca de 5 mil pessoas. O ato foi organizado pelo Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal (Simpeem). Os profissionais reivindicam a incorporação de um bônus complementar ao salário, valorização profissional e melhorias nas condições de trabalho.

Por meio de nota à imprensa, a Secretaria Municipal de Educação informou que o prefeito Fernando Haddad encaminhou nesta terça-feira um projeto de lei para aumentar o piso salarial dos professores, gestores e do quadro de apoio à educação em 15,38%. A medida elevaria para R$ 3 mil o piso dos professores com jornada semanal de 40 horas-aula retroativamente a 1º de maio. "Com a medida, o município de São Paulo pagará um dos maiores pisos salariais do Brasil", destacou a secretaria.

Segundo a secretaria, desde 2011 cerca de 20 mil professores que recebem o piso não tinham aumento de rendimentos, mas apenas de benefícios de incorporação de abonos concedidos anos atrás.

"Todos os demais profissionais da educação (que recebem além do piso), incluindo os 28 mil aposentados, receberão aumento de 13,43% nos salários. Esse esforço representa um aumento de R$ 390 milhões na folha de pagamento para 79.524 profissionais ativos e R$ 231 milhões para os 28.513 profissionais da educação inativos, totalizando R$ 622 milhões só em 2014. Com a medida, os aumentos acumulados para os educadores desde o início da atual gestão sobem para 26%", acrescentou a secretaria. 

Agência Brasil Agência Brasil
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade