Por cotas, estudantes fazem protesto na Federal do Ceará

30 out 2012
16h07
atualizado às 16h45

Pelo menos 400 estudantes de escolas públicas, de acordo com estimativa da reitoria da Universidade Federal do Ceará (UFC), fizeram um protesto na instituição, em Fortaleza, para cobrar a implantação integral da Lei de Cotas. Segundo a reitoria, os estudantes invadiram o prédio e quebraram equipamentos eletrônicos, uma porta e vidraças. A Polícia Militar foi acionada e dispersou os manifestantes.

Cotas: desafio agora é garantir permanência do novo aluno

Nesta manhã, representantes do Conselho Universitário estavam reunidos para discutir a forma de adesão da instituição à Lei das Cotas, que determina que em quatro anos todas as universidades públicas federais e os institutos técnicos federais reservem, no mínimo, 50% das vagas para estudantes que tenham cursado todo o ensino médio em escolas da rede pública, com distribuição proporcional das vagas entre negros, pardos e indígenas. A lei diz ainda que metade das vagas reservadas às cotas sociais - ou seja 25% do total da oferta - sejam preenchidas por alunos que venham de famílias com renda de até um salário mínimo e meio per capita.

A adesão das universidades às cotas pode ser parcial, completando os 50% em quatro anos. No entanto, os manifestantes queriam que a UFC passasse a seguir a regra na íntegra a partir deste ano. Um grupo de alunos chegou a ser designado para apresentar a proposta na reunião do Conselho, mas como a manifestação não foi interrompida, a reitoria decidiu cancelar o encontro.

Ainda nesta terça-feira, o reitor fará um pronunciamento sobre como devem ficar as regras para as cotas na universidade.

Imagem feita por uma funcionária da universidade mostra uma porta danificada após o protesto dos estudantes
Imagem feita por uma funcionária da universidade mostra uma porta danificada após o protesto dos estudantes
Foto: UFC / Divulgação
Fonte: Terra

compartilhe

publicidade
publicidade