publicidade
03 de maio de 2013 • 12h28 • atualizado em 06 de Maio de 2013 às 15h42

Nos 5 cursos mais disputados, USP teve apenas um calouro preto em 2013

O número de pardos também é baixo: 7,7% do total de alunos. Segundo o Censo, 34,6% da população de São Paulo é composta por pretos e pardos

Mais de 159 mil candidatos se inscreveram para o vestibular da Fuvest 
Foto: Fernando Borges / Terra
 

Sem adotar uma política de cotas raciais, a Universidade de São Paulo (USP) ainda está longe de garantir a inclusão nos cursos mais concorridos da instituição. Dados divulgados nesta sexta-feira pela Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest) apontam que das cinco carreiras que tiveram o maior número de candidatos inscritos na última seleção, apenas a Faculdade de Ciências Médicas de Ribeirão Preto conta com um estudante que se autodeclarou preto - conforme a classificação de cor utilizada pelo Instituo Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que não utiliza a palavra negro. Além disso, nas cinco graduações, somente 40 alunos são pardos, de um total de 533 estudantes, o que corresponde a 7,5%.

Como é a classificação de cor do IBGE
A análise feita pela Fuvest levou em conta a classificação de cor utilizada pelo IBGE em suas pesquisas, que leva em conta cinco nomenclaturas: pretos, pardos, indígenas, amarelos e brancos. Nota técnica sobre o assunto pode ser conferida no site do instituto.

Apesar de ter um estudante preto, ciências médicas possui uma baixa taxa de inclusão de afrodescendentes: são 87 brancos (84,5%), contra um preto (1%), oito pardos (7,8%), seis amarelos e um indígena. Relações internacionais tem 50 brancos (82%), oito pardos (13,1%) e três amarelos.Medicina, engenharia civil, publicidade e propaganda e relações internacionais não possuem nenhum calouro preto. O número de pardos nesses cursos também é baixo. Em medicina são apenas 18 (7%), contra 198 brancos (77%), 40 amarelos (orientais) e um indígena. Em engenharia civil, curso oferecido em São Carlos, a situação é ainda pior: são 52 brancos (82,5%) contra 11 pardos (17,5%). publicidade tem 39 brancos (79,6%), 6 pardos (12,2%) e quatro amarelos.

Em todos os cursos de graduação, 78,7% dos estudantes que ingressaram este ano são brancos, 11,3% são pardos e 2,4% são pretos. O levantamento mostra ainda 7,5% dos calouros são amarelos e 0,2% indígenas.

Os dados não correspondem aos valores verificados pelo Censo de 2010 do IBGE para o Estado de São Paulo, que apontam que 63,9% dos paulistanos se declararam brancos, 29,1% pardos, 5,5% pretos, 1,4% amarelos e 0,1% indígenas. 

Curso Matriculados Branco Preto Pardo Amarelo Indígena
Medicina 257 198 0 18 40 1
Engenharia civil 63 52 0 11 0 0
Publicidade e propaganda 49 39 0 6 4 0
Ciências médicas 103 87 1 8 6 1
Relações internacionais 61 50 0 8 3 0

Resistência às cotas
A USP garante bônus no vestibular para estudantes de escolas públicas, negros e indígenas, mas ainda não adotou uma política de cotas. No final do ano passado, o governador Geraldo Alckmin apresentou, em parceria com os reitores das três universidades estaduais, proposta para a criação de um programa de reserva de vagas para esses estudantes, mas apenas a Universidade Estadual Paulista (Unesp) confirmou que vai adotar o sistema.

Pela proposta, ao menos 50% das matrículas em cada curso de graduação deverão ser ocupadas por alunos que cursaram integralmente o ensino médio em escolas públicas. Dentro dessa meta, o percentual de pretos, pardos e indígenas deverá ser de 35%. As metas deveriam ser atingidas ao longo de três anos, a partir de 2014, mas como as universidades ainda resistem em adotar o modelo de cotas, o plano pode ser adiado.

Na rede federal, lei sancionada pela presidente Dilma Rousseff no ano passado já garante a reserva de vagas para alunos de escolas públicas e afrodescendentes.

75% dos candidatos são brancos
Segundo o resultado do questionário de avaliação socioeconômica, respondido pelos 159.609 candidatos que se inscreveram no vestibular para ingresso em 2013, a maioria das pessoas que buscam uma vaga por meio da Fuvest são brancas  - 75,6%. Pretos e pardos somam 18,9% dos inscritos, indígenas 0,2% e amarelos, 5,3%. 

De acordo com os dados, 59,5% dos estudantes cursaram todo ensino médio em escolas particulares, contra 35,2% em escolas públicas. No ensino fundamental, a taxa de candidatos que estudou todo o período em escola particular é de 54%, contra 32,3% em escola pública.

O levantamento completo poder ser acessado no site da Fuvest.

 

Terra