Manifestação fecha a Avenida Paulista em protesto contra entrada de médicos estrangeiros no país

3 jul 2013
17h41
atualizado às 17h41

Um grupo de médicos fechou totalmente a Avenida Paulista, no centro da capital paulista, no sentido Consolação, por volta da 16h40 de hoje (3), em protesto contra a entrada de médicos estrangeiros no país. O projeto do Ministério da Saúde pretende trazer profissionais de outros países para suprir a carência de médicos nas periferias e em pequenas cidades do interior do Brasil.

Segundo o presidente da Associação Paulista de Medicina, Florisval Meinão, a categoria é contra a vinda dos profissionais sem uma avaliação apropriada para a revalidação dos diplomas. 'É um grande risco para a população. Com certeza de 80% a 90% deles [médicos estrangeiros] não tem conhecimento suficiente para trabalhar no nosso país', disse.

Meinão defende que o governo federal amplie os investimentos no Sistema Único de Saúde (SUS) e reestruture um plano de carreiras para dar garantia aos médicos que forem trabalhar nas periferias e pequenas cidades do país.

Os manifestantes, que neste momento se encontram próximos ao Museu de Arte de São Paulo (Masp), pretendem seguir até a sede da Presidência da República, também localizado na Avenida Paulista, próximo à Rua Augusta. O protesto recebeu o apoio de um grupo de estudantes e professores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), que saíram da Avenida Doutor Arnaldo para encontrar o restante da manifestação na Avenida Paulista.

Edição: Fábio Massalli

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir o material é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil

Agência Brasil Agência Brasil
publicidade