Mac OS X e Windows Vista são seguros para crianças, diz estudo

20 jan 2011
18h43

Um estudo da União Europeia com ferramentas para controle dos pais e filtragem de conteúdo na internet - destinado a proteger crianças com menos de 10 anos - revelou que os principais sistemas operacionais existentes cumprem muito bem o papel e aparecem entre os três primeiros da lista. Segundo o site WinRumours , o teste contemplou 26 ferramentas de controle dos pais para PC, três para consoles e duas para smartphones. Elas passaram por baterias de testes que incluíam protocolos e programas populares, como streaming de mídia, P2P, FTP, IRC, Skype, Windows Live Messenger e email.

No geral, o estudo apontou que as ferramentas cumprem bem seus papeis, mas alerta que, mesmo com todo o poder conferido aos pais, ainda há 20% de chances de que material inadequado a crianças, especialmente do tipo que as incentiva a se machucarem (anorexia, suicídio e automutilação) podem passar pelos filtros. Outra crítica da União Europeia recai na escassez de programas do tipo para plataformas móveis.

O estudo pode ser lido na íntegra no site da União Européia pelo atalho. Entre o Mac OS X, da Apple, que ficou em primeiro, e o Windows Vista, terceiro no ranking de ferramentas para crianças com menos de 10 anos, ficou o Safe Eyes com um honroso segundo lugar. Já na lista das ferramentas para crianças com mais de dez anos, o Mac OS X manteve a liderança, seguido por Profil e PureSight. Nessa, o Vista aparece em nono lugar.

Os próprios sistemas operacionais conseguem dar conta do recado, segundo o estudo, sem ajuda de outros produtos. Nomes bastante conhecidos, como o Zone Alarm, o OpenDNS e praticamente todas as suítes de segurança mais importantes do mercado (Norton, Trend Micro, McAfee e Kaspersky), tiveram desempenho pior do que dois sistemas operacionais sozinhos.

No estudo, não aparecem o Windows 7, versão atual do Windows, e nenhuma distribuição do sistema operacional livre GNU/Linux. Muito menos o Google Chrome OS, que ainda não está disponível em versão final e também é baseado no Linux.

O mundo dá voltas
Na última década, a Microsoft travou uma verdadeira batalha épica nos tribunais europeus por conta das acusações da União Europeia de que a empresa utilizava-se de práticas monopolistas no seu principal produto, o Windows.

A solução para o embate jurídico veio sob a forma de multas milionárias (acima dos US$ 700 milhões) e a criação de edições exclusivas do Windows XP e Vista, as "N", que vêm sem o Windows Media Player pré-instalado.

Agora, anos depois, a mesma União Europeia nomeou o Windows Vista, uma das versões mais contestadas do sistema, como uma das melhores ferramentas para filtragem de conteúdo na Internet para crianças com menos de 10 anos.

Geek

compartilhe

publicidade
publicidade