Educação

publicidade
27 de abril de 2010 • 15h09 • atualizado às 15h32

Livro de educação sexual distribuído em escolas gera polêmica

O material foi distribuído para alunos do primeiro e segundo ciclo dos colégios, crianças com idade entre 6 e 8 anos
Foto: Ed Ruas / Especial para Terra
Ed Ruas
Direto do Recife

Um livro paradidático distribuído pela rede municipal de educação do Recife promete gerar muita polêmica. O vereador André Ferreira (PMDB), denunciou no plenário da Câmara a distribuição de uma obra cujo teor tem causando controvérsias entre os pernambucanos. No material distribuído para alunos do primeiro e segundo ciclo dos colégios, crianças com idade entre 6 e 8 anos, há diálogos como: "O pênis do papai fica duro também? Algumas vezes. E o papai acha muito gostoso"ou "Aqui é o seu clitóris, que faz as mulheres sentirem muito prazer ao ser tocado, porque é gostoso".

As ilustrações que acompanham os textos mostram, por exemplo, meninas e meninos se masturbando. "A verdade é que essa brincadeira não causa nenhum problema", "Mas não se esqueça:essa brincadeira, que dá uma cosquinha muito boa, não é para ser feita em qualquer lugar. É bom que você esteja num canto, sem ninguém por perto".Toda a polêmica está contida no livro: "Mamãe, como eu nasci?", escrito por Marcos Ribeiro com ilustrações de Bia Salgueiro.

O vereador André Ferreira, que é evangélico, disse ter sido procurado em seu gabinete por cerca de dez pais revoltados com a distribuição da obra e resolveu levar ao conhecimento dos seus pares na segunda-feira (26). "É um absurdo. Isso não pode ser feito pelo poder público sem ser discutido antes com os pais. Vamos convocar o secretário de Educação, Ministério Público, conselho tutelar, psicólogos e a associação de pais de alunos para saber como esse assunto pode ser abordado em sala de aula", avaliou o parlamentar.

André Ferreira pediu a suspensão imediata da distribuição do livro que integra o kit escolar das escolas municipais. De acordo com o vereador de oposição, ele ganhou o respaldo até dos governistas que concordaram se tratar de uma obra muito "agressiva" para crianças desta idade."Não queremos que assunto deixe de ser tratado, mas não achamos coerente ser desta maneira", avaliou o peemedebista.

Diante da denúncia, a Secretária de Educação do Recife determinou o recolhimento dos 20 mil exemplares distribuídos pela rede escolar e orientou professores e diretores das escolas a pedir aos alunos a devolução dos livros.

Especial para Terra