Estudantes: Ciência sem Fronteiras muda imagem do Brasil em Portugal

1 dez 2012
14h36
atualizado às 14h56

A presença cada vez maior de estudantes brasileiros em Portugal tem feito com que a imagem do Brasil - distorcida muitas vezes por causa de clichês e estereótipos - mude aos olhos dos lusitanos. Na avaliação de estudantes do Programa Ciência sem Fronteiras, alunos e professores de grandes instituições portuguesas têm se deparado com uma nova visão do Brasil a partir da vivência com os bolsistas.

"A gente está mostrando um outro lado do Brasil para eles", diz Maiara Sakamoto Lopes, aluna de engenharia ambiental na Universidade Estadual Paulista (Unesp, Rio Claro), que, desde setembro, estuda na Universidade de Lisboa.

"A visão que eles (os portugueses) têm é a do Tropa de Elite e a do Carandiru (filmes brasileiros que abordam a violência). Achei curioso, eles vieram perguntar onde há mais favela - se é no Rio ou em São Paulo. Sempre perguntam de futebol e acham que no Brasil só tem axé", lamenta a estudante. Estigmas e clichês à parte, o Brasil tem sido "muito bem visto" por causa do Ciência sem Fronteiras, avalia a bolsista. "Eles sabem que os estudantes estão aqui por incentivo do governo."

Aluno de enfermagem da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Elias Dias faz graduação-sanduíche na Universidade de Coimbra. "Em uma aula sobre saúde da mulher e saúde da criança eu dei informações sobre o nosso SUS (Sistema Único de Saúde) que eles (colegas e professores portugueses) não conheciam. Não há um sistema assim aqui."

Para alguns bolsistas, além de melhorara imagem do Brasil no exterior, o Programa Ciência sem Fronteira elevaa autoestima dos brasileiros. "O complexo de vira-lata que (o dramaturgo e cronista) Nélson Rodrigues dizia nunca foi tão falso", diz Gabriel dos Passos Gomes, estudante de química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e bolsista na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Segundo ele, o contato com os alunos e professores portugueses e de outras partes do mundo na instituição é interessante para comparar a formação e a capacidade dos brasileiros.

"Não somos menos capazes", avalia, destacando que o estudante brasileiro é autodidata e "aprende a se virar muito bem". De acordo com o aluno, uma das diferenças do ensino entre os dois países é que, em Portugal, as aulas aliam teoria e prática. "Não temos aula para praticar no Brasil com acompanhamento do professor. Isso faz falta", diz Gabriel.

"Pude ver aqui a aplicabilidade do que aprendi", confirma Aline Pacheco Albuquerque, estudante de química industrial na Universidade Estadual da Paraíba (Campina Grande). Assim como Gabriel, ela é bolsista na Universidade de Lisboa e lembra que, no Brasil, não teve "aula para praticar".

O paraibano Henrique Borborema, aluno de biologia da Universidade Federal da Paraíba, também elogia o modelo português. "O que a gente vê aqui na teoria a gente imediatamente vê na prática, nos laboratórios ou nos computadores", conta. "Na minha universidade, e no Brasil, há essa deficiência de a teoria ficar às vezes solta", completa.

Os estudantes acreditam que o comportamento extrovertido dos brasileiros favorece o relacionamento com colegas e professores. "Eles (os estudantes portugueses) não perguntam tanto. Ás vezes estão lá, sem entender, e não perguntam", observa a estudante Aline Albuquerque.

Para a presidenta da Associação de Pesquisadores e Estudantes Brasileiros em Coimbra (Apeb-Coimbra), Viviane Carrico, a maior aproximação do brasileiro ocorre porque "o contato institucional no Brasil é diferente" e menos formal.

Agência Brasil Agência Brasil

compartilhe

publicidade
publicidade