Ensino a distância pode ser a melhor escolha

Desde 2005, quando os diplomas de alunos formados em cursos a distância tornaram-se equivalentes aos de cursos presenciais, essa opção teve um forte crescimento. Atualmente, cerca de um milhão de alunos estão fazendo graduações nessa modalidade de ensino, em 108 instituições - a maioria privadas - credenciadas pelo Ministério da Educação (MEC).

Atualmente, cerca de um milhão de alunos estão fazendo graduações nessa modalidade de ensino
Atualmente, cerca de um milhão de alunos estão fazendo graduações nessa modalidade de ensino
Foto: Getty Images

» Como ajudar seu filho na escolha profissional
» Veja o ranking das melhores no Ensino Superior

Ao contrário do que muitos pensam, fazer curso a distância não é uma "moleza", embora ofereça maior flexibilidade do que um curso presencial. Na modalidade a distância, o interesse, o esforço e a disciplina do aluno são fatores essenciais para a um bom aproveitamento e conclusão do curso.

Luciano Sathler, pró-reitor de Educação a Distância da Universidade Metodista de São Paulo, acredita que é um público mais disciplinado, mais dedicado, porque o ensino a distância é uma oportunidade para ele. "Em geral, são alunos que já estão no mercado de trabalho, não conseguiram concluir uma faculdade quando eram mais jovens ou já estão formados em outra área."

Características
Não há um modelo único de educação a distância. Os programas podem apresentar diferentes desenhos e múltiplas combinações de linguagens e recursos educacionais e tecnológicos. A natureza do curso é que irá definir a tecnologia e a metodologia: momentos presenciais (são obrigatórios por lei), estágios supervisionados, práticas em laboratórios de ensino, trabalhos de conclusão de curso, quando for o caso, tutorias presenciais e outras estratégias são adotadas.

A maior parte dos cursos no Brasil funcionam com uma plataforma na internet, onde os alunos acessam as aulas e os conteúdos, complementada por apostilas ou livros impressos, e pólos presenciais que contam com professores tutores para tirar dúvidas. O sistema de avaliações muda bastante de instituição para instituição, mas 58% delas usam provas escritas presenciais.

Aceitação do mercado
O aproveitamento dos formandos de cursos online pelo mercado de trabalho costuma ser bom, afirma o diretor da consultoria Catho Online, Constantino Cavalheiro. Segundo ele, a preocupação das empresas é com as instituições em que o estudante se formou e não com a modalidade. "Não conheço nenhum critério de seleção que dá preferência a um candidato porque ele fez um curso presencial. Não há distinção. O mais importante é a pessoa conseguir aplicar os conhecimentos no trabalho", esclarece Cavalheiro.

Instituições respeitadas
Atualmente, instituições - públicas ou privadas - com grande respeitabilidade oferecem cursos a distância, inclusive de graduação. Um exemplo é a Fundação Getulio Vargas (FGV). Criada em 1999, a FGV Online disponibiliza hoje cursos abertos e customizados. Entre os abertos, há a opção de extensão, a graduação tecnológica em Processos Gerenciais e 11 MBAs.

A Universidade Aberta do Brasil (UAB) - ampla articulação em ensino a distância entre instituições públicas de ensino superior federais - deve contar com 100 mil alunos em 2009.

Fique atento
Na hora de escolher, é preciso verificar a qualidade dos cursos e procurar referências sobre as instituições. Qualquer instituição de ensino superior pode oferecer ensino a distância, bastando apenas realizar o credenciamento (no caso das faculdades) ou o reconhecimento (para universidades e centros universitários) específico junto ao MEC.

A criação de cursos de graduação em direito, medicina, odontologia e psicologia, inclusive em universidades e centros universitários, tem de ser submetida ao Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil ou ao Conselho Nacional de Saúde, respectivamente.

O secretário de Educação a Distância do MEC, Carlos Eduardo Bielschowsky, recomenda que o estudante, antes de escolher um curso dessa modalidade, visite o pólo presencial da sua cidade para checar as condições do local.

Ele também deve confirmar no site do MEC se a instituição e o pólo são registrados. "Se eu fosse aluno, a primeira coisa que eu faria seria conversar com um futuro colega. Pergunte se ele está estudando muito, se dedicando, fazendo provas. Se ele falar que está 'levando', que o curso é fácil, não faça. Um curso de educação a distância requer muito estudo. Não faça porque não vai aprender e só vai ter um diploma para botar na parede, sem melhoria para sua vida profissional", diz Bielschowsky.

Em 2008, o MEC desativou 1.337 centros de educação a distância. Segundo o secretário, a decisão faz parte da estratégia da Secretaria para manter a qualidade dessa modalidade.

Fonte: Redação Terra
publicidade