publicidade
15 de dezembro de 2010 • 12h58 • atualizado às 16h09

Candidata chora ao perder a prova do Enem no PR

Candidata chora ao perder prova em Curitiba
Foto: Joyce Carvalho / Especial para Terra
 
Joyce Carvalho
Direto de Curitiba

A chegada da maioria dos candidatos do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) em Curitiba (PR) foi tranquila no Colégio Estadual Hildebrando de Araújo, no bairro Jardim Botânico. A exceção foi uma candidata, que chorou após chegar atrasada e não conseguir entrar. Não houve tumulto, apesar de um pouco de complicação no trânsito.

Este foi um dos locais de prova em Curitiba, uma das seis cidades no Paraná que terão reaplicação das provas. Além da capital, estão mobilizados os municípios de Ponta Grossa, Pitanga, Goioerê, Guarapuava e Pinhão.

Os candidatos ainda repercutiram a confusão com o Enem neste ano, com problemas as provas de Ciências Humanas e suas Tecnologias e Ciências da Natureza e suas Tecnologias. "No dia foi uma super confusão e fiquei sem concentração inclusive para responder as questões que estavam certas. Pelo menos deram a oportunidade de fazer de novo. Era o mínimo que podiam fazer", comenta Gabriela Wassano, de 18 anos.

Para a estudante Jéssica de Sá Moraes, que faz o Enem pelo segundo ano, os problemas afetaram o desempenho de quem fazia a prova. "É uma sacanagem. Já são dois anos com problemas. Primeiro foi o vazamento e depois essa confusão com as questões", afirma.

Muitos candidatos não reforçaram os estudos nesta semana para as provas realizadas hoje. Alguns arranjaram um tempo e se dedicaram na revisão do conteúdo. "Dei uma corrida e conseguir revisar. Eu recebi o aviso no sábado passado e corri para fazer isto", conta Jhennifer Barbosa Dias.

Candidata não consegue entrar
A candidata Jéssica Hellen, de 19 anos, chegou cinco minutos depois do fechamento dos portões e não conteve as lágrimas. Moradora do bairro Santa Cândida, em Curitiba, ela teve dificuldades em achar o local da escola. "Eu saí 11h de casa, mas peguei o ônibus no sentido contrário. Eu tive que dar toda a volta", contou, chorando.

A primeira atitude dela foi ligar para a mãe e contar o que aconteceu. Jéssica precisava do Enem para compor a nota do vestibular da Universidade Federal do Paraná, onde tenta uma vaga no curso de Medicina.

Especial para Terra