Em protesto, 10 mil professores estaduais anunciam greve em SC

Em greve, 10 mil professores estaduais tomam ruas de Florianópolis

atualizado em 12/05/2011 às 21h38
  • comentários
Segundo a Polícia Militar, cerca de 10 mil professores protestaram em Florianópolis Foto: Fabrício Escandiuzzi / Especial para Terra
Segundo a Polícia Militar, cerca de 10 mil professores protestaram em Florianópolis
Foto: Fabrício Escandiuzzi / Especial para Terra
Fabrício Escandiuzzi
Direto de Florianópolis

Professores da rede estadual de ensino de Santa Catarina decidiram entrar em greve após assembleia realizada no final da tarde desta quarta-feira, em Florianópolis. Segundo a Polícia Militar (PM), cerca de 10 mil educadores participaram do protesto, a maior mobilização já realizada pela categoria no Estado.

Ao sair da reunião que definiu a greve, houve um princípio de tumulto por causa de uma decisão da Polícia Militar do Estado de fechar o portão principal do centro de convenções de Florianópolis, impedindo a saída do carro de som e dos trabalhadores.

Segundo o Sindicato dos trabalhadores em educação (Sinte), organizador do evento, a corporação exigia que a caminhada fosse feita por uma passarela de pouco mais e dois metros de largura e não pela avenida Governador Gustavo Richard, como haviam combinado previamente.

De acordo com a Polícia Militar, a medida foi tomada para garantir a segurança dos manifestantes e dos motoristas que trafegavam pela avenida e para evitar um confronto a passagem foi liberada.

Com faixas e cartazes, os docentes cobraram do governo catarinense que pague o piso salarial nacional definido em lei. Após o protesto, os professores caminharam pelo centro de Florianópolis e causaram tumulto no trânsito. Batedores da Polícia Militar e um helicóptero acompanharam a manifestação, que passou pela Assembleia Legislativa e pela secretaria de estado da Educação.

A paralisação geral das atividades em todas as escolas do Estado, que irá afetar 700 mil alunos, está marcada para começar na próxima quarta-feira. Nos próximos dias, os professores devem orientar os pais e os alunos sobre a decisão da greve.

O governo catarinense, que recorreu à Justiça contra o piso nacional do Magistério, apresentou uma proposta de pagamento de R$ 1187 de salário, incluindo os abonos, valor que não foi aceito pela classe. Pela lei, o valor deve ser pago sem a inclusão de benefícios como o abono salarial.

Colaborou com esta notícia o internauta Maicon Glomer, de Blumenau (SC), que participou do vc repórter, canal de jornalismo participativo do Terra. Se você também quiser mandar fotos, textos ou vídeos, clique aqui.

vc repórter

COMPARTILHE

COMENTE

  • comentários
publicidade
publicidade