Dilma defende busca 'obsessiva' pela alfabetização infantil

8 nov 2012
14h00
atualizado às 14h02
Luciana Cobucci
Direto de Brasília

A presidente Dilma Rousseff defendeu, nesta quinta-feira, que o governo adote uma postura "obsessiva" em relação à busca pela qualidade e totalidade na alfabetização das crianças até oito anos de idade. Ao lado do ministro da Educação, Aloizio Mercadante, Dilma lançou o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, cujo objetivo é garantir que todas as crianças com até 8 anos estudantes de escolas públicas saibam ler, escrever, interpretar textos e realizar as operações básicas de matemática.

Ao lado do ministro Aloízio Mercadante, Dilma lançou hoje o programa de alfabetização na idade certa
Ao lado do ministro Aloízio Mercadante, Dilma lançou hoje o programa de alfabetização na idade certa
Foto: Roberto Stuckert Filho/PR / Divulgação

"Acho que é uma questão absolutamente estratégica para o nosso País. O que está em jogo é que a insuficiência de aprendizado da escola pública está na raiz da desigualdade e da exclusão. É fato que avançamos, a situação há 10 anos era muito pior, mas hoje é o momento de encarar a nós mesmos, o nosso País e a responsabilidade que todos nós temos. Nosso País só poderá se orgulhar de dar oportunidade a todos se aplicarmos esse pacto de forma sistemática, e eu diria até obsessiva", afirmou Dilma.

Dilma classificou a questão como "urgente", e disse que o crescimento do País depende da alfabetização infantil. "Hoje o pacto tem caráter de urgência, urgência das tarefas inadiáveis. Sem ele, não teremos igualdade de oportunidades efetiva no País. É uma das nossas maiores obrigações com as crianças desse País: que possamos assegurar a elas conquistas ao longo da vida, e isso não é possível sem garantir essa alfabetização em idade certa", disse.

Royalties
A respeito da polêmica aprovação da nova lei dos royalties, que passou esta semana na Câmara dos Deputados, Dilma afirmou que ainda não sabe se vai vetar no texto o item que destina os recursos da exploração do petróleo a áreas genéricas. A vontade do governo é que todos os recursos obtidos com a extração do insumo fossem revertidos para a educação, mas o dispositivo foi alterado em votação na Câmara na última terça.

"Eu não tenho a lei, vou avaliar a lei. Eu seria uma pessoa leviana se sem recebê-la falasse sobre ela", afirmou a presidente a jornalistas. O ministro Mercadante disse que o governo vai tentar reverter a situação no Senado, durante a votação do Plano Nacional de Educação (PNE).

Pacto pela alfabetização
Hoje o governo lançou o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, que pretende alfabetizar todas as crianças brasileiras em Português e Matemática até os 8 anos de idade. O objetivo é acabar com o analfabetismo funcional e dar condições às crianças de aprenderem a ler, escrever, interpretar textos e realizar operações matemáticas básicas ainda na primeira infância. Segundo Mercadante, esta será a prioridade do ministério nos próximos anos. "Serão 108 mil, escolas 400 mil turmas, 360 mil professores. Os 27 Estados e 5,270 mil municípios já aderiram ao plano", disse.

O Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais (Inep) vai realizar avaliações anuais com os estudantes aos 7 e 8 anos de idade. O governo vai investir R$ 2,7 bilhões em todo o programa, na compra de 60 milhões de livros didáticos, na formação e tutoria permanente dos 360 mil professores e na premiação para as escolas e docentes que se destacarem no pacto.

Fonte: Terra

compartilhe

publicidade
publicidade