Colômbia aposta em bibliotecas como antídoto contra a violência

Para a ministra colombiana Mariana Garcés, o investimento em leitura, cultura e música é fundamental para mudar situações de conflito

11 jun 2013
15h04
atualizado às 15h22
  • separator
  • comentários

Investir em casas de cultura e bibliotecas não contribui apenas para a educação, mas também promove a reconciliação em zonas de conflito, segundo declarou à Agência Efe a Ministra de Cultura da Colômbia, Mariana Garcés, que participou do 15º Salão FNLIJ do Livro para a criança e o jovem, no Rio de Janeiro.

A ministra vê estes locais como "espaços neutros por excelência, onde a liberdade de opinião está presente e onde os conflitos terminam por meio da discussão, da crítica respeituosa, e não através da violência", disse.

Gárces esteve no Brasil para participar da edição deste ano do Salão, que tem a Colômbia como país homenageado e acontece até amanhã no Centro de Convenções SulAmerica. Também vieram vários escritores e ilustradores colombianos, entre eles, José Rosero, Claudia Rueda, Yolanda Reyes e Irene Vasco.

A ministra apresentou o sistema de bibliotecas públicas da Colômbia como uma experiência de sucesso, já que, para ela, o investimento em leitura, cultura e música é fundamental para mudar situações de conflito.

Como exemplo, ela citou o caso de duas comunidades da cidade de Cali, onde as gangues se enfrentavam violentamente até que foram construídas uma escola e uma mega biblioteca na fronteira entre os dois bairros, em um espaço chamado Água Branca. A biblioteca tem seis andares e obrigou os estudantes, que antes viviam em guerra, a compartilhar salas de aula, os mesmos espaços esportivos e livros.

Para Gárces, até em comunidades violentas como as de Cali existe um consenso de que os espaços culturais devem ser respeitados e é necessário que essa atitude seja a de toda a população.

O Plano Nacional de Leitura e Bibliotecas do Governo da Colômbia já conseguiu que todos os municípios do país contem com pelo menos uma biblioteca pública, o que concentra os próximos esforços do governo em fortalecer os seus conteúdos, com lançamentos literários, jornais e revistas, explicou a ministra.

A prioridade de investimento está em municípios chamados de "consolidação", que sofreram condições de violência ou conflito, onde o Estado intervém com presença militar, mas também com ofertas culturais para mudar as condições de vida do local.

De acordo com Garcés, "o impacto social tem a ver com a autoestima dessas populações, com a possibilidade que elas passam a ter de contar suas próprias histórias e de preservar sua língua".

As comunidades indígenas e palenqueras recebem textos em seus próprios idiomas e participam de projetos culturais em suas bibliotecas ou malocas, onde se desenvolve sua vida cultural e social.

Segundo a Ministra, o governo do presidente Juan Manuel Santos construiu 100 bibliotecas públicas nos últimos quatro anos, superando as 16 construídas no mesmo período na administração anterior.

Para financiar o programa, se usa a décima parte de um imposto de 4% de consumo de celulares, explicou. "Isso faz com que os próximos ministros que ocuparem o cargo no tenham a obrigação de destinar estes recursos para o projeto, mesmo que mudem seus focos de ação", apontou.

Melhores universidades

Confira a lista com as melhores universidades da América Latina, segundo o ranking QS

EFE   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade