Canadá fecha acordo de R$ 12,9 mi com 27 universidades brasileiras

27 abr 2012
15h34
atualizado às 15h58
  • separator
Marina Novaes
Direto de São Paulo

Cerca de 30 reitores de universidades do Canadá visitam o Brasil nesta semana para fechar parcerias com instituições de ensino brasileiras que queiram selecionar estudantes para participar de bolsas de estudo e pesquisas no País. De acordo com a Associação de Universidades e Faculdades do Canadá (AUCC, ou Association of Universities and Colleges of Canada), que representa 95 entidades, a visita resultou em 75 acordos com pelo menos 27 universidades e faculdades brasileiras, e com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ), em um investimento total estimado em R$ 12,9 milhões (6,74 milhões de dólares canadenses).

Em entrevista concedida em São Paulo nesta sexta-feira, o presidente da AUCC, Paul Davidson, afirmou que o objetivo é atrair, até o fim deste ano, cerca de 500 estudantes do Brasil ao Canadá - praticamente o mesmo número de brasileiros que hoje estudam em instituições de ensino superior no país da América do Norte. Além de bolsas, estão previstos intercâmbios e projetos de pesquisa a distância.

De acordo com o presidente da AUCC, atualmente, mais de 7 mil brasileiros vão todos os anos ao Canadá realizar cursos de idiomas, mas apenas poucos veem o local como uma opção para a realização de cursos de graduação, pós-graduação, mestrado e doutorado.

"Hoje o Canadá é o principal destino dos brasileiros que querem aprender inglês e o segundo principal destino dos que querem estudar francês. Nosso objetivo é fazer agora com que o Canadá seja prioridade dos estudantes brasileiros de ensino superior que queiram aprofundar seus estudos e, no futuro, criar inclusive oportunidades para que trabalhem em indústrias", afirmou Davidson.

A visita dos reitores ao Brasil faz parte de um trabalho mais ambicioso de longo prazo: atrair cerca de 12 mil alunos de nível superior do Brasil ao Canadá através do programa Ciência sem Fronteiras nos próximos quatro anos, conforme adiantou na última terça-feira (24) o governador-geral do Canadá, David Johnston, durante encontro com a presidente Dilma Rousseff, em Brasília.

"O Brasil é uma das nações que mais crescem no mundo hoje, e um outro objetivo (das parcerias) é, além de aprofundar as relações acadêmicas e econômicas entre os dois países, estimular a ida de canadenses para estudar no País. Isso tudo irá beneficiar tanto o Brasil quanto o Canadá, pois a ideia é, no futuro, que o conhecimento seja transformado em ação", afirmou Stephen Toope, reitor da Universidade de British Columbia em Vancouver.

Entre as instituições brasileiras que firmaram acordos com entidades canadenses estão a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade Estadual Paulista (Unesp), a Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), a Universidade de Brasília (UNB), a Universidade Federal de Sergipe (UFS), o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), entre outras escolas federais, estaduais e privadas. Os acordos preveem intercâmbios de alunos e bolsas de ensino em diversas áreas de pesquisa, principalmente nas áreas de tecnologia, ciência, meio ambiente e engenharias, mas o objetivo é, nos próximos anos, ampliar a oferta de cursos de ciências humanas.

Além das parcerias entre universidades e faculdades, durante a visita às cidades de São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro e Brasília, a Mitacs (entidade de pesquisas canadense) também anunciou um acordo com a Capes para levar 450 alunos brasileiros de graduação ao Canadá, por meio programa Globalink, até 2014.

O anúncio das parcerias entre entidades canadenses e brasileiras é resultado de quase dois anos de negociação entre as instituições de ensino. Além do Brasil, o Canadá também firmou acordos semelhantes com a Índia, em 2010. "Nos próximos três anos, vamos avaliar os resultados desses acordos com o Brasil e a Índia para saber se têm dado o resultado esperado, se é possível ampliar a missão para outros países, ou aprofundá-la no Brasil", explicou Toope.

As universidades brasileiras que queiram firmar acordos com as entidades do Canadá podem se informar por meio do site do órgão responsável por parcerias com entidades de pesquisa no país (www.istp.canada.ca) ou pela página da embaixada no Brasil (www.brazil.gc.ca).

Veja também:

Asiáticos relatam discriminação na Alemanha em meio à pandemia
Fonte: Terra
publicidade