Campeã em educação no IDHM, cidade de SP tem pais voluntários na escola

18 ago 2013
08h16
atualizado às 08h16
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
A cidade com melhor índice de educação do País investe na participação da família na escola
A cidade com melhor índice de educação do País investe na participação da família na escola
Foto: Rose Mary de Souza / Especial para Terra

Imagine uma cidade no Brasil onde nenhuma criança está fora da escola e que os alunos tenham opções para ocuparem o tempo ocioso em atividades acompanhadas pelos pais? Em Águas de São Pedro, estância hidromineral no interior de São Paulo a 189 quilômetros de São Paulo, esses são os motivos apresentados por seus gestores para justificar o primeiro lugar em Educação no Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) do Brasil. 

O ranking dos municípios foi divulgado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e mostrou que dos 5.565 municípios brasileiros, somente cinco obtiveram índice acima de 0,8 no item educação, o que é considerado "muito alto". Águas de São Pedro alcançou  0,825, seguido de São Caetano do Sul (SP) com 0,811, Santos (SP) com 0,806, Vitória (ES) com 0,805 e Florianópolis (SC) com 0,800.  

"Faz 15 anos que não registramos um homicídio na cidade", conta o prefeito Paulo César Borges, mais conhecido como Paulo Ronan (PSDB). A seu favor, ele enumera as qualidades naturais da cidade como contribuição para os resultados e a adequação de uma educação participativa de professores com contribuição de pais voluntários. 

Águas de São Pedro não tem indústrias, as ruas são tranquilas e não há transtornos comuns às grandes cidades. "A nossa economia é centrada no turismo, e tudo o que é arrecadado em impostos predial e de serviços são revertidos ao melhoramento e aparelhamento da cidade", diz o prefeito. Os maiores atrativos são as fontes minerais e um balneário com águas medicinais.

Investimento em educação
Para o prefeito é uma obrigação investir, e bem, na educação. Ronan conta que aplica 29% no setor - acima dos 25% mínimos exigido por lei.  A cidade tem uma arrecadação prevista de R$ 16 milhões anuais e a pasta de educação terá para este ano R$ 4,6 milhões. 

Mesmo sem nenhuma propriedade rural, o município concentra 41% de área verde, parques com reserva natural de matas, boa arborização e uma população adulta com excelente escolaridade e cuja renda média é de R$ 4 mil.

O prefeito aponta que toda a cidade é monitorada por câmeras de vigilância. É a menor cidade paulista e a segunda menor no Brasil em extensão territorial, com 3,6 quilômetros quadrados , perdendo para Santa Cruz de Minas (MG). Águas de São Pedro tem  2.707 habitantes conforme o último censo divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

Núcleo Educacional
O prefeito Paulo Ronan conta que solicitou ao governo do Estado de São Paulo uma verba de R$ 4,5 milhões para edificar um núcleo educacional e centralizar todos os equipamentos em um só lugar. Segundo o prefeito, antes mesmo da divulgação dos dados do IDHM, o projeto estava em andamento, com aprovação  do Legislativo. Agora, com os resultados da pesquisa do Pnud, ele prevê uma sinalização mais favorável. 

Ronan explica que o Núcleo Educacional poderá ser instalado em um ponto privilegiado da cidade, em um terreno ao alto com uma bela vista do horizonte.  "A área total disponível é gigante, de 1 milhão de metros quadrados", comenta o prefeito. A ideia é conceber um conglomerado com salas de aula, bibliotecas, quadra de esportes, quadra de tênis, piscinas, departamento administrativo e um prédio próprio para a secretaria de educação.

O prefeito diz que a demanda para novas matrículas sempre foi grande.  Até pais moradores de cidade vizinhas estão em busca de vagas em Águas de São Pedro. "A cidade cresce e temos que ir juntos".

Piano e atividades extras
A secretaria de educação de Águas de São Pedro é sediada em uma sala da Escola Municipal Maria Luiza Fornasier Franzin. No pátio coberto há um piano ao lado da escada de acesso ao segundo pavimento. "Uma mãe de aluno vem aqui às sextas-feiras para tocar aos alunos", conta o secretário de educação Silvio César Corrente.  Para ele, o apoio  e contribuição dos pais com os filhos e colegas dentro da escola é um passo positivo para transformar a escola em um espaço de prazer para os estudantes.   "O ensino de qualidade é uma sinergia entre pais e escola", aponta o secretário. 

A cidade conta com 80 profissionais, entre professores, psicólogos, fonoaudiólogos e psicopedagogos. A rede municipal tem 796 matriculados. No ensino infantil, na faixa de 4 meses até 5 anos de idade são 180 inscritos. Já as crianças entre 6 a 10 anos são um total de 319 e na faixa dos 11 aos 14 com 297 matriculados. Um pouco mais da metade são crianças de famílias residentes no município vizinho São Pedro. O ensino médio (antigo 2º grau)  fica a cargo da Escola Estadual Angelo Franzin, que tem 210 alunos. 

O secretário explica que todos os alunos são inseridos em atividades extras fora do horário normal das aulas. Com isso, nenhuma criança fica perambulando na rua. Elas têm  aula de resforço para aqueles com dificuldade no aprendizado, sala de lição de casa,  informática, expressão corporal, esporte e educação física, mas também a hora de brincar com recreações lúdicas como música, culinária e sala de descanso.  A novidade para breve é um programa de rádio e um jornal. Todos tomam banho, ganham almoço e lanche - com alimentação diferenciado para diabéticos, por exemplo -  antes de irem embora.

A administradora de empresas Márcia Marques Cruz, 50 anos, mora em Águas de São Pedro faz quatro anos e tem uma filha de 3 anos matricula na rede municipal da cidade. Ela morava em São Paulo e mudou-se para a cidade depois de "ouvir falar coisas muito boas sobre a cidade e a educação implantada aqui", falou. Seu marido trabalha na capital e volta para a casa aos finais de semana. Hoje, ela se dedica apenas aos afazeres domésticos e é voluntária na secretaria de educação. Dentre as várias atividades entre outras mães e pais de alunos, ela dá palestras sobre meio ambiente e aulas de culinária de pratos simples e nutritivos para as crianças.

 "Em outras cidades nós teríamos que matricular nossa filha em uma atividade extra, além da escola, como natação, ou balé, ou judô, mas aqui não é preciso, na escola já tem tudo", comenta. Márcia acha que a estrutura das escolas é boa, o envolvimento dos professores muito bom e a aproximação dos pais são importantes para o desenvolvimento dos filhos. "A educação é tudo, é a raiz", completa.

   

Veja também:

Terremoto causa 'mini-tsunami' e destrói casas na Grécia e na Turquia
Fonte: Especial para Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade