Bibliotecas digitais exigem formação profissional específica

2 mar 2011
08h53
  • separator
  • comentários
Cartola - Agência de Conteúdo
Especial para o Terra

Já imaginou conseguir ter acesso a todas as obras disponíveis na biblioteca da sua cidade com apenas um clique? Ou conseguir ler os livros didáticos da sua universidade no conforto da sua casa sem levá-los até lá? Coleções digitalizadas já existem no Brasil e tendem a crescer cada vez mais. As bibliotecas digitais tendem a substituir as prateleiras cheias de livros empoeirados. E é pensando nisso que bibliotecários e arquivistas têm buscado formação especializada em preservação digital.

Elisângela Alves de Moura, 31 anos, trabalha há anos na biblioteca da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Acostumada a catálogos de títulos escritos à mão em fichas de papel e a livros em prateleiras, a bibliotecária viu sua carreira sofrer uma mudança drástica.

"Trabalho há anos em bibliotecas, mas agora estou tendo minha atuação direcionada para biblioteca digital. Quero aprender a técnica da informática e principalmente a parte de plataformas e protocolos digitais", diz a moradora de Natal.

Buscando especialização em banco de dados online e enredos digitalizados, Elisângela já se inscreveu para o curso de extensão de Bibliotecas Digitais à Distância da PUC-Rio. "É hora de voltar para os estudos e me atualizar", conta. Para Ana Pavani, doutora em Engenharia Elétrica e coordenadora do curso da PUC-Rio, o mercado de coleções online é cada vez mais amplo no Brasil e tende a crescer nos próximos anos. "Vivemos em um mundo cada vez mais tecnológico, e a chance de obras em papel se perderem e se deteriorarem é muito grande. Já existe mais de 1 milhão de imagens em banco digital da Biblioteca Nacional, e esse número tende a crescer", diz.

E foi por isso que o Departamento de Engenharia Elétrica do Centro Técnico Científico da PUC-Rio abriu o primeiro módulo do curso de extensão em Bibliotecas Digitais a Distância. O estudo ainda é novo no mercado e é voltado para bibliotecários, arquivistas, museólogos e profissionais da área de informação.

Ana afirma que, além de preparar profissionais para o futuro das bibliotecas e de arquivos de museus e universidades, as aulas têm como objetivo estabelecer um diálogo entre os profissionais da área de digitalização e preservação digital, que por atuarem em uma área multidisciplinar muitas vezes não se compreendem.

"Temos um módulo, por exemplo, que se chama Computadores Periféricos e Rede, que consiste em explicar a linguagem digital, de analistas de sistema, para pessoas que não a compreendem. Então, por exemplo, bibliotecárias que precisam lidar com a digitalização de obras e que não entendem linguagem tecnológica passarão a conhecê-la", explica, afirmando que bibliotecárias como Elizângela sairão capacitadas para atuar no meio virtual.

Especial para Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade