2 eventos ao vivo

Dia de terror na França termina com sete mortos

9 jan 2015
18h11

Polícia mata dois irmãos suspeitos de atentado ao semanário "Charlie Hebdo". Em outro cerco, sequestrador é morto após invasão policial num mercado judaico. Quatro reféns também morrem na ação.

Três dias de terror, medo e tensão como os franceses não viam há décadas chegaram ao final de forma dramática nesta sexta-feira (09/01), que ficará marcada na história do país por suas cenas de guerra e ruas sitiadas. Com quase 90 mil policiais nas ruas, partes de Paris e de seus arredores estiveram paralisadas, e dois cercos de horas de duração terminaram com sete mortos – quatro deles reféns.

A espiral de violência aberta pelo massacre de 12 jornalistas na redação do semanário Charlie Hebdo, na quarta-feira, só terminou três dias depois – com a morte dos irmãos Cherif e Said Kouachi, de 34 e 32 anos, os principais suspeitos do atentado, e a libertação do refém que eles mantiveram por quase oito horas numa fábrica em Dammartin-en-Goële, a 40 quilômetros de Paris.

No leste da capital, porém, pelo menos quatro pessoas morreram após um homem, identificado como Amedy Coulibaly, de 32 anos, invadir um mercado de produtos kosher e fazer vários reféns. O sequestrador também foi morto, numa operação da polícia francesa praticamente simultânea à que matou os irmãos Kouachi. Pouco antes de morrer, ele declarou a uma emissora de TV ter "sincronizado" a ação com os irmãos.

O presidente francês, François Hollande, afirmou que a França enfrentou, mas ainda não pôs fim às ameaças de que é alvo. Numa declaração solene transmitida pela televisão, Hollande apelou para a vigilância, a unidade e a mobilização dos franceses. "A França, apesar de consciente de que fez frente à ameaça, de dispor de forças de segurança integradas por homens e mulheres capazes de coragem e bravura, não acabou com as ameaças de que é alvo", afirmou Hollande, em discurso à nação.

Escolas e universidades fecharam, linhas de metrô foram paralisadas, e autoestradas, bloqueadas, enquanto as pessoas acompanhavam em casa o desfecho de uma onda de violência que fez o país voltar a discutir sua capacidade de integração e a relação entre islã e radicalismo.

Imagens de televisão mostraram o momento em que as invasões começaram. Em Dammartin-en-Goële, bombas foram usadas para despistar a dupla, enquanto os policiais, de forma bem-sucedida, entraram na fábrica e libertaram o refém.

Em Paris, a tentativa de invasão foi seguida de pesada troca de tiros. As câmeras de televisão mostraram o momento em que um dos cerca de 30 policiais que participaram da ação foi baleado. Segundo a imprensa francesa, até 20 pessoas foram mantidas reféns no mercado.

Possível conexão entre ataques

O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, manifestou sua "imensa tristeza" pelas perdas, especialmente dos reféns, ao sair da sede do ministério para se dirigir à Porte de Vincennes, local do sequestro. "Quero agradecer às forças de ordem, que atuaram com controle e sangue frio, o que permitiu a eficácia da operação", afirmou Cazeneuve, que pediu que todos os franceses se mantenham extremamente atentos.

As autoridades francesas ainda são cautelosas em confirmar uma relação entre os três envolvidos. Mas o sequestrador do mercado em Paris, que suspeita-se ser o mesmo que matou uma policial na quinta-feira na capital, teria dito que mataria todos os reféns em caso de invasão da polícia à fábrica em Dammartin-en-Goële.

Uma fonte da polícia disse à agência de notícias Reuters que o suspeito do ataque ao mercado de produtos kosher era membro do mesmo grupo jihadista ao qual pertencem os supostos autores do atentado ao jornal Charlie Hebdo.

A prefeitura de Paris fez um apelo aos cidadãos para que ajudem com informações sobre Hayat Boumeddiene, que seria cúmplice de Coulibaly. Segundo o jornal Le Monde, ele seria discípulo, assim como Chérif Kouachi, de Djamel Beghal, que foi condenado por terrorismo na década passada.

Neste domingo, uma marcha em Paris deverá reunir líderes de várias nações europeias. Eles prestarão homenagens à vítimas do terrorismo. Entre os líderes já confirmados está a chanceler alemã, Angela Merkel, o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, o chefe do governo espanhol, Mariano Rajoy, e o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

compartilhe

publicidade
publicidade