Ciência

publicidade
10 de abril de 2013 • 22h31 • atualizado às 07h34

Temporada de furacões do atlântico deve ser 75% mais ativa que o normal

 

A temporada de furacões no Atlântico - que começa em junho e dura até novembro - será 75% mais ativa do que o normal, devido, em parte, ao inverno ameno que não resfriou as águas do oceano, aumentando a probabilidade de furacões de categoria elevada chegarem a países do Caribe e aos Estados Unidos, informou nesta quarta-feira a Universidade do Estadual do Colorado.

"Prevemos que a temporada de furacões de 2013 na bacia atlântica terá uma maior atividade em comparação com a média do período entre 1981-2010", resumiram hoje em uma apresentação pela internet os especialistas Philip Klotzbach e William Gray, responsáveis pela pesquisa sobre a temporada de furacões realizada há 30 anos pela universidade.

Segundo eles, uma temporada padrão tem 12 tempestades com nome próprio (tempestades tropicais), das quais 6,5 chegam a se tornar furacões e duas alcançam categorias superiores (de 3 a 5 na escala de Saffir-Simpson, com ventos a partir de 178 km/h).

Os cálculos para este ano, no entanto, prevêem 18 tempestades com nome, das quais nove chegarão a furacão e quatro alcançarão categorias superiores.

Caso a previsão esteja correta, esta temporada será mais ativa que a última, que apesar de ter tido 19 tempestades tropicais e 10 furacões, apresentou apenas dois de categorias superiores, "Michael" e o devastador "Sandy", que causou a morte de pelo menos 147 pessoas.

Outra forma de medir a intensidade das temporadas de furacões é contabilizar o número de dias. A média dos últimos 30 anos na bacia atlântica é de que durante 60 dias haja alguma tempestade tropical ativa - 21,3 dias de furacões e 3,9 dias de furacões superiores.

Em 2013, deve haver 95 dias (mais de três meses) de tempestades tropicais ativas - 40 dias de furacões e 9 dias de furacões de maior intensidade.

Para os especialistas, o aumento da atividade durante a temporada de furacões se deve ao fato de que este tipo de frente atmosférica "se alimenta" de águas quentes.

"As águas do Atlântico tropical estão se aquecendo de forma anormal nos últimos meses, e parece que as possibilidades de ocorrência de um fenômeno como o 'El Niño' entre junho e novembro são muito pequenas", explicou Klotzbach ao apresentar o relatório.

"Antecipamos uma probabilidade superior à média de que furacões de alta intensidade toquem terra ao longo da costa dos Estados Unidos e do Caribe", acrescentou.

Os especialistas também observaram que, desde 1900, antes de apenas cinco temporadas foram registradas condições atmosféricas semelhantes às deste ano (1915, 1952, 1966, 1996 e 2004). No total, quatro foram realmente mais ativas do que o habitual.

Quanto às possibilidades de que toque terra nessa temporada um furacão de categoria maior - o que é a grande preocupação -, os especialistas afirmam que no Caribe as chances são de 61%, contra a média de 42%.

Já a mesma probabilidade para os Estados Unidos chega a 72% (contra a média de 52%). No litoral leste, as chances são de 48% (31% de média), e no Golfo do México, de 47% (30%).

A pesquisa completa foi publicada no site "www.e-transit.org/hurricane".

EFE EFE - Agencia EFE - Todos os direitos reservados. Está proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agencia EFE S/A.