Meio Ambiente

publicidade
20 de março de 2013 • 19h57 • atualizado às 19h59

Programa nacional de cidades sustentáveis será lançado em junho

 

O Programa Nacional de Cidades Sustentáveis está em fase final de elaboração e seus maiores desafios foram apontados nesta quarta-feira pela analista ambiental da Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente Yriz Soares, no 4º Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública. Com lançamento previsto para junho deste ano, na Semana Nacional do Meio Ambiente, o programa terá que articular iniciativas que já estão em curso no País, tornar o conceito de sustentabilidade mais objetivo e principalmente capacitar técnicos municipais para os próximos anos.

"É com capacitação que esses técnicos vão poder gerar um projeto de qualidade e colocar uma obra que seja realmente necessária em uma comunidade, destinando bem os recursos e economizando, já que muitos são dispersos e desencontrados", disse Yriz.

Segundo ela, com a capacitação dos técnicos será possível chegar às metas do programa, que pretende levar a um plano de 20 anos, com avaliações e revisões bienais: "Uma prerrogativa do programa é trazer do local para o nacional o que é a meta, o que é a diretriz e o que é a sustentabilidade. Hoje, estamos estipulando esses 20 anos para não se perder, com os ciclos de gestão, de quatro em quatro anos, tudo aquilo que aquele grupo se motivou para construir nesse sentido".

Ao apresentar as ideias presentes na elaboração do programa, Yriz contou que a fase atual é a de fechar as parcerias, que serão importantes para definir as áreas de atuação e o orçamento. Um grupo de 400 a 500 cidades de todos os tamanhos será escolhido para a primeira fase do programa, levando em conta essas parcerias, as ações existentes e a intenção de incluir todos os biomas do país, além de priorizar cidades com bons exemplares desses ambientes.

Outro objetivo do programa apresentado por Yris é a geração de indicadores e metas claros, para que a defesa da sustentabilidade se torne menos subjetiva.

Agência Brasil