0

Cresce 200% a utilização de bicicletas em São Paulo

24 jan 2012
18h04
atualizado em 25/1/2012 às 09h40
  • separator

A cidade que incorpora a bicicleta como meio de transporte, o pedestre e pessoas com deficiência, exibe qualidade. Essa incorporação pressupõe ações em áreas que mexem com a qualidade de vida das pessoas como calçadas, ruas, paisagismo, praças. Essa é uma das principais conclusões da discussão sobre mobilidade urbana/uso de bicicletas promovida pelo programa Sustentabilidade, no Terra TV.


Os convidados de Ricardo Young nesta terça foram o ativista do Grupo Transporte Ativo, João Lacerda, e a responsável pelo Departamento de Projetos Cicloviários da Companhia de Engenharia da Tráfego de São Paulo, Maria Ermelina Malatesta. Pesquisa realizada em São Paulo aponta crescimento de 200% nos últimos anos no uso de bicicletas.


Segundo Maria, os trabalhadores que mais utilizam a bicicleta como meio de transporte são os mais pobres ¿ 95% dos usuários são homens. Por isso, grande parte das rotas está na periferia (55 quilômetros).


De acordo com a especialista da CET, vem crescendo o número de acidentes entre motoboys e usuários de bicicletas. "Ainda assim, boa parte dos acidentes com bicicletas ocorre no meio das quadras e envolve veículos grandes. De 2009 a 2010, reduzimos em 20% esses acidentes. Estamos fazendo trabalho educativo com motoristas de caminhões", explica Maria.


O ativista do Grupo Transporte Ativo, João Lacerda, chama a atenção para o fato de que quanto mais piora o trânsito na cidade, mais pessoas passam a usar bicicleta como meio de transporte. "Não acho que todo mundo vai andar de bicicleta, mas é preciso dar segurança e as pessoas precisam acreditar que estão seguras quando andam de bicicleta", diz Lacerda. O ativista diz que quanto mais bicicleta na cidade, menor é número de acidentes. "As pessoas ficam mais acostumadas a lidar com seres vivos e o trânsito fica mais seguro", explica.


Clique aqui e veja a íntegra do programa.


Veja também:

Como era ser uma criança negra na Alemanha pós-guerra
Fonte: DiárioNet DiárioNet
publicidade