Sustentabilidade

publicidade
10 de outubro de 2013 • 07h36

Brasil: 55% das empresas têm metas de redução de emissão de carbono

Pouco mais da metade (55% do total) das 51 empresas brasileiras que responderam a um questionário sobre mudanças climáticas têm metas de redução de emissão de carbono. O número, embora ainda seja baixo se comparado a diversos outros países, representa um avanço para o Brasil considerando o ano anterior, pois, em 2012, 40% das empresas informaram ter metas de redução de emissão.

O dado está no relatório CDP Brasil 100, do Programa Mudanças Climáticas 2013, que foi divulgado na tarde de quarta-feira em uma cerimônia na capital paulista. O relatório é divulgado pelo Carbon Disclosure Project (CDP), uma organização internacional sem fins lucrativos que mede e incentiva que empresas e cidades divulguem informações sobre seus impactos no meio ambiente.

Para a pesquisa deste ano, 100 empresas foram convidadas para responder ao questionário, mas apenas 56 delas o fizeram, sendo que cinco foram desconsideradas porque eram multinacionais (neste caso, o CDP considerou apenas as respostas enviadas pela empresa matriz).

Um relatório mais abrangente do CDP, envolvendo 500 grandes empresas em todo o mundo, foi divulgado anteriormente e está disponível no site da organização (www.cdp.net). Segundo Sue Howells, diretora de operações do CDP, o relatório mundial demonstrou que as grandes empresas precisam fazer muito mais para reduzir as emissões de carbono. "As emissões continuam a crescer e isso nos preocupa muito", disse Sue durante a apresentação do relatório brasileiro.

Segundo Luísa Guimarães Krettli, da Way Carbon, empresa que presta consultoria ambiental e que é uma das responsáveis pela elaboração e divulgação do relatório no Brasil, o mesmo fenômeno foi observado nas empresas do país. De acordo com ela, 76% das empresas instaladas aqui aumentaram suas emissões no escopo 1 [emissões diretas] e no escopo 2 [emissões indiretas provenientes do consumo de energia elétrica] em relação ao ano anterior. "Isso mostra que a efetividade dessas iniciativas [de redução das emissões] que estão sendo implantadas pelas empresas devem ser repensadas", disse Luísa.

De notas que variam entre A (a melhor nota) até E, considerando-se a performance das empresas com relação à redução da emissão de carbono, o Brasil recebeu uma média D, abaixo de países como a África do Sul e a Coréia do Sul. "As empresas brasileiras precisam analisar como podem melhorar sua performance", disse Sue Howells.

O relatório demonstrou que as empresas somaram R$ 6 bilhões de investimentos em iniciativas de redução de emissões [considerando-se somente as empresas que responderam ao questionário e que informaram ter iniciativas de redução]. Isso significou que elas investiram apenas 0,07% de suas receitas, em média, em iniciativas de redução de emissão de carbono. "A reação [das empresas] se dá justamente porque ainda não há clareza do impacto financeiro, seja ele negativo ou positivo. Há sempre a ótica do risco ou da oportunidade. A partir do momento que elas tiverem um entendimento maior do quanto o risco representa e de que maneira elas podem converter esse risco em uma oportunidade, explorando novos modelos de negócio e reconfigurando seus processos produtivos, teremos essa trajetória [de crescimento na redução de emissão]", disse Juliana Lopes, diretora do CDP na América Latina, em entrevista à Agência Brasil.

Agência Brasil