Ciência

publicidade
23 de março de 2011 • 12h01

SP faz cirurgia inédita sem cortes para retirar pedras nos rins

 

A Secretaria da Saúde de São Paulo divulgou nesta quarta-feira que o Centro de Referência em Saúde do Homem desenvolveu uma nova técnica para combater pedras nos rins. Uma cirurgia foi realizada com sucesso utilizando apenas um pequeno orifício na região abdominal para retirar as pedras. De acordo com o médico chefe do serviço de urologia, Joaquim Claro, foi o primeiro procedimento do tipo na América Latina.

Os pacientes com cálculos renais já têm tratamentos pouco invasivos com um equipamento que entra pelo canal do ureter e quebra a pedra. No entanto, para cálculos com mais de 2,5 cm ou alocados perto do rim, o método tradicional, com cortes na região do abdome, era escolhido para não comprometer o canal e preservar o paciente. Na cirurgia por acesso único, o aparelho consegue cortar a pedra e retirá-la sem afetar o ureter.

A intervenção utilizou um aparelho chamado de "single port" e uma câmera para que a equipe médica acompanhasse o procedimento através de um monitor de vídeo. Por ser menos invasiva, a nova intervenção oferece mais conforto ao paciente. Tanto a internação quanto o processo operatório são mais rápidos, e em torno de uma semana o operado já pode voltar a sua vida cotidiana.

Estima-se que uma entre 10 pessoas vá apresentar pedras nos rins ou nos ureteres pelo menos uma vez até chegar aos 70 anos de idade. A formação pode ser consequência de herança genética e também está ligada a hábitos de vida pouco saudáveis, como o excesso de ingestão de sal e alimentos gordurosos, em contrapartida da baixa ingestão de líquidos. Pacientes com cálculos renais apresentam fortes dores nas costas e em toda a região abdominal. Em alguns casos há, ainda, dificuldade para urinar.

Terra