0

Reino Unido apresenta mapa sobre impacto da mudança climática

22 out 2009
10h46
atualizado às 12h20

O governo britânico apresentou nesta quinta-feira um mapa que ilustra as consequências que a mudança climática terá em nosso planeta se a meta de manter o aumento da temperatura global abaixo de 2ºC não for cumprida.

A 45 dias do início da conferência das Nações Unidas sobre o clima, que será realizada em Copenhague, os ministros de Assuntos Exteriores e de Energia e Mudança Climática, os irmãos David e Ed Miliband, respectivamente, apresentaram o panorama no Museu de Ciências Naturais de Londres, junto a John Beddington, cientista assessor do Governo.

O Reino Unido adverte que uma alta das temperaturas de mais de 2ºC terá tremendas consequências para o planeta, como fortes efeitos no fornecimento de água e na produção agrícola, um aumento do perigo de incêndios florestais e do nível do mar, além de secas. As informações do mapa podem se acessada no site www.metoffice.gov.uk/climatechange/guide/effects/.

O panorama foi desenvolvido com informação e análises científicas do Centro Hadley do Escritório Meteorológica Britânica. O ministro de Assuntos Exteriores britânico disse hoje que não é possível "um mundo com 4ºC a mais". "Este mapa ilustra claramente a escala do desafio que enfrentamos hoje. A mudança climática é um problema global que necessita uma solução global e é uma solução que temos a nosso alcance", afirmou o chefe da diplomacia britânica.

"Mas para reduzir os problemas da mudança climática, todos nós, os ministros de Assuntos Exteriores, Meio Ambiente, Economia, Defesa e outras áreas do Governo e da sociedade devemos trabalhar juntos para manter o aumento da temperatura em 2ºC. Só desta maneira poderemos minimizar os enormes riscos à segurança que uma alta de 4ºC representa no mundo". Já o ministro de Energia e Mudança Climática afirmou que o mapa evidencia a importância das negociações de dezembro em Copenhague.

"Os cientistas do Reino Unido ajudaram a ilustrar os efeitos catastróficos se o mundo fracassar em estabelecer o limite do aumento da temperatura em 2ºC", disse.

EFE   

compartilhe

publicidade
publicidade