0

Superpredador brasileiro espanta e vira destaque internacional

14 mai 2010
13h16
atualizado às 13h19
Andressa Tufolo
Matheus Pessel

A descoberta de um fóssil quase completo do superpredador tecodonte Prestosuchus chiniquensis, no município de Dona Francisca, no Rio Grande do Sul, atraiu a atenção da imprensa internacional. Após apresentação feita pela Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), na última segunda-feira, dia 10, veículos como os britânicos Telegraph, Daily Mirror e Fox News repercutiram a notícia da espécie que tinha aproximadamente 7 m de comprimento e pesava 900 kg. O animal viveu no período Triássico (há aproximadamente 238 milhões de anos) e é um ancestral dos dinossauros.

O paleontólogo Sérgio Cabreira trabalha no fóssil do Prestosuchus chiniquensis, uma espécie de tecodonte. Veículos internacionais como os britânicos Telegraph, Daily Mirror, além de Fox News, destacaram a descoberta
O paleontólogo Sérgio Cabreira trabalha no fóssil do Prestosuchus chiniquensis, uma espécie de tecodonte. Veículos internacionais como os britânicos Telegraph, Daily Mirror, além de Fox News, destacaram a descoberta
Foto: Ulbra / Divulgação

Segundo o paleontólogo Sérgio Cabreira, responsável pelo achado, a imprensa internacional não está acostumada com trabalhos na América do Sul. Países como Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra, defendem a sua própria cultura científica. "Aí, nesse conjunto, nós, brasileiros aqui do Sul, descobrimos algo completo com estruturas que não haviam sido encontradas antes. Isso mexe com o contexto", afirma. De acordo em ele, o Brasil está em ascensão no cenário internacional e já é visto com respeito. "Não precisamos mais de suporte externo, temos estrutura."

O pesquisador ressalta também que essa região do município de Dona Francisca é um dos sítios de fósseis mais importantes do mundo. "A área explorada ainda é pequena. Quando o processo de pesquisa for formatado realmente, nós vamos encontrar dezenas de fósseis".

Apesar de o fóssil ter sido achado há cerca de 30 dias após chuvas que expuseram parte do material, a descoberta reflete um trabalho de seis anos de projeto, conta Sérgio Cabreira. "Temos feito vários achados de material na área. Há três anos, encontramos neste mesmo local, duas vértebras muito grandes desse Arcossauro. Nessa oportunidade, eu já tinha uma ideia do belo material que estava para encontrar. A erosão expôs uma margem do material e o limpamos. Entendemos que se travava de algo importante", afirmou.

O cientista acredita que esse animal tenha sido soterrado pela enchente poucos dias após a sua morte. "Encontramos um fóssil com crânio, coluna cervical, cauda, em excelente estado de preservação. O fóssil fala por ele mesmo." Depois da divulgação das imagens, paleontólogos de diversas regiões visitaram o local.

O grupo ao qual o animal pertence representa os primeiros arcossauros que atingiram um grande tamanho. "Não conseguiremos entender esse frisson da imprensa internacional se não olharmos para o cenário científico", explicou referindo-se a todas as implicações históricas, científicas e sociais do trabalho.

Existem leis que regem o patrimônio científico brasileiro. A divulgação das descobertas é essencial para criar uma guarda em torno desse patrimônio, segundo o paleontólogo. "Devemos expor esse material para disseminar a conquista de todos os brasileiros. Além disso, o fato permite com que a sociedade e os políticos tomem providências para o aproveitamento e cercamento de áreas."

O fóssil do tecodonte Prestosuchus chiniquensis continuará sendo estudado em território nacional. Ele agora entra em um circuito de tratamento, com clima e acondicionamento adequados. Antes de que os cientistas possam manusear os fósseis encontrados, são feitas réplicas dos materiais. Geralmente essas cópias é que são apreciadas em museus, enquanto a original é utilizada em pesquisas.

Fonte: Redação Terra
publicidade