0

Professor: texto de 3 mil anos comprovaria reinos bíblicos

28 jan 2014
10h59
atualizado às 11h00
  • separator
  • comentários

Um professor da Universidade de Haifa (Israel) afirma que uma inscrição em um jarro de barro descoberto em Jerusalém pode provar a existência dos reinos bíblicos de Davi e Salomão. O objeto, de quase 3 mil anos, foi encontrado em julho e é o mais antigo texto alfabético já achado na cidade histórica. As informações são da Fox News.

Texto incompleto em jarro de 3 mil anos indicaria que reino de Salomão existiu, diz professor
Texto incompleto em jarro de 3 mil anos indicaria que reino de Salomão existiu, diz professor
Foto: Fox News / Reprodução

"Nós estamos falando de reis verdadeiros, e os reinos de Davi e Salomão foram um fato real", diz Gershon Galil. O debate entre os cientistas sobre o significado da inscrição ainda é muito grande, mas o professor afirma oferecer "a única tradução sensata" para o texto e ressalta que apenas a existência do objeto já é considerada importante.

"A coisa mais importante é que (o jarro) nos conta que alguém naquele período sabe como escrever alguma coisa", diz. Uma das dificuldades da tradução é que três letras do objeto estão incompletas. Galil as traduz como "yah-yin chah-lak", o que em hebraico significaria "vinho inferior".

A parte mais importante, contudo, é o primeiro trecho do texto, que indicaria o 20º ou 30º ano do reino de Salomão. A inscrição, afirma o professor, está em uma forma inicial do hebraico do sul, pois é a única língua a usar dois yods (letras hebraicas) para a palavra "vinho". Ele especula que o "vinho inferior" seria dado para trabalhadores que construíam a cidade de Jerusalém.

Se o hebraico como língua escrita era utilizado no período da inscrição no local, isso indica que os israelitas chegaram a Jerusalém antes do que se acreditava anteriormente e isso os colocaria em um tempo que a Bíblia indica que Salomão reinou. Galil acredita agora que novos indícios serão achados sobre os reinos bíblicos.

Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade