0

ONU alerta para possível ressurgimento da gripe aviária

ONU alerta para possibilidade de novo surto mundial de gripe aviária

29 ago 2011
10h26
atualizado às 10h54
  • separator
  • comentários

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) alertou para um possível ressurgimento da gripe aviária e disse que uma cepa do vírus H5N1 estava se espalhando pela Ásia e outras regiões. A FAO pediu nesta segunda-feira um aumento na vigilância e na preparação dos países para um eventual surto do vírus, que já infectou 565 pessoas desde que apareceu pela primeira vez, em 2003, matando 331 delas.

O vírus foi eliminado da maioria dos 63 países infectados após o pico de 2006, mas desde 2008 o H5N1 tem se expandido geograficamente tanto em criações aviárias como em pássaros silvestres, em parte devido às migrações, de acordo com a FAO. "O afastamento geral das quedas progressivas observadas em 2004-2008 pode significar que haverá uma retomada do H5N1 neste outono e inverno (do hemisfério norte)", disse o chefe de veterinária da FAO, Juan Lubroth, em comunicado.

Ele disse que o aparecimento de uma cepa modificada do vírus na China e no Vietnã era uma preocupação, porque aparentemente essa nova forma seria capaz de escapar dos sistemas de defesa das vacinas atuais. A circulação do vírus no Vietnã também representa um risco direto para Camboja, Tailândia e Malásia, além da península coreana e o Japão, disse a FAO. A última morte humana causada pela gripe aviária aconteceu este mês no Camboja, país que já registrou oito infecções humanas este ano, segundo a agência.

Imagem mostra escultura da bactéria E. Coli: os artefatos de vidro são aproximadamente 1 milhão de vezes maior que o tamanho real
Imagem mostra escultura da bactéria E. Coli: os artefatos de vidro são aproximadamente 1 milhão de vezes maior que o tamanho real
Foto: Luke Jerram / Divulgação
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade