0

Novo estudo estima surgimento dos primeiros faraós no Antigo Egito

3 set 2013
20h46
atualizado em 4/9/2013 às 07h44
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Valendo-se de uma vasta gama de ferramentas, arqueólogos anunciaram ter detectado o momento crucial na História em que o Egito emergiu como um Estado único.

Especialistas discutem há décadas quando foi que os turbulentos Alto e Baixo Egito se unificaram sob uma liderança única e estável pela primeira vez. Estimativas convencionais, baseadas na evolução dos estilos das cerâmicas encontradas em sítios funerários humanos, variam imensamente, de 3.400 a 2900 a.C.

Mas, uma equipe de cientistas chefiada por Michael Dee, da Universidade de Oxford, ampliou os métodos usados para estimar as datas e descreveu o método em artigo publicado no periódico Proceedings of the Royal Society A. Eles usaram medições de radiocarbono em mais de 100 amostras de cabelo, ossos e plantas encontrados em sítios funerários e atualmente mantidos em coleções de museus.

As evidências arqueológicas e de radiocarbono foram, então, agrupadas em um modelo matemático, que calculou a ascensão do rei Aha - o primeiro de oito soberanos dinásticos do Egito antigo - como tendo ocorrido entre 3.111 e 3.045, com probabilidade de 68%.

Este período foi crítico na História mundial, pois marcou a emergência de uma civilização duradoura no hemisfério ocidental, que ocorreu quando as pessoas começaram a se assentar permanentemente às margens do rio Nilo e desenvolveram a agricultura, fornecendo um excedente que impeliu o comércio.

"As origens do Egito começaram um milênio antes da construção das pirâmides, e é por isso que nosso entendimento de como e por que este Estado poderoso se desenvolveu se baseia unicamente em evidências arqueológicas", explicou Dee.

"Este novo estudo fornece nova datação por radiocarbono que restaura a cronologia dos primeiros soberanos dinásticos do Egito Antigo, e sugere que o Egito se formou muito mais rapidamente do que se pensava anteriormente", acrescentou.

Segundo o estudo, Aha e seus sete sucessores governaram um território que se espalhou por uma área similar ao Egito atual, com fronteiras formais com Aswan ao sul, o Mar Mediterrâneo ao norte e a atual Faixa de Gaza a leste.

Arqueologia em agosto: descoberta cidade subterrânea na Itália

Veja também:

Como era ser uma criança negra na Alemanha pós-guerra
AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade