0

Japão encontra restos de navio da invasão mongol no século 13

25 out 2011
16h29
atualizado às 16h44

Os restos de um navio que teria participado da fracassada tentativa mongol de conquistar o Japão, no século 13, foram encontrados na costa do país. Pesquisadores encontraram um pedaço de 12 m do casco da embarcação, enterrado sob a areia da costa de Nagasaki. Esta teria sido a primeira vez que o casco de um barco usado na invasão mongol foi recuperado.

Os pesquisadores da universidade de Ryukus, em Okinawa, usaram equipamento ultrasônico para detectar os restos do navio. Os ataques frustrados contra o Japão foram um das poucas vezes que os mongóis foram derrotados do século 13. A madeira do casco foi pintada de cinza e ligada por pregos. Tijolos e armas também foram encontrados a bordo.

Mistério
Os pesquisadores dizem esperar que a descoberta os ajude a entender os motivos da vitória japonesa. Os japoneses costumam atribuir a vitória aos ventos e tempestades que destroçaram as embarcações mongóis durante as tentativas der invasões de 1274 e 1281.

O "vento divino", ou kamikaze em japonês, foi novamente invocado para inspirar os pilotos a lançarem ataques suicidas na Segunda Guerra Mundial. Como nômades da Ásia Central, os mongóis tinham pouca experiência no mar e usaram chineses e coreanos subjulgados para construir seus navios.

A estrutura do navio lembra a das embarcações chinesas da época. Os mongóis chegaram a desembarcar e ter algum sucesso contra os japoneses, que tinham menos habilidade no arco e flecha. Mas em ambas as ocasiões, os mongóis e as tropas chinesas e coreanos sob seu comando tiveram que bater em retirada por causa de tufões que se aproximavam, impedindo seus planos.

Caçador de tesouros usou um detector de metais para achar tesouro com 52,5 mil moedas, em 2010
Caçador de tesouros usou um detector de metais para achar tesouro com 52,5 mil moedas, em 2010
Foto: AP
BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.

compartilhe

publicidade