publicidade
04 de fevereiro de 2010 • 09h51 • atualizado às 12h17

Excesso de barulho nas escolas pode gerar danos à audição

Estudo confirma que em muitos colégios o barulho nas salas de aula passa do tolerável Foto: Getty Images
Estudo confirma que em muitos colégios o barulho nas salas de aula passa do tolerável
Foto: Getty Images
 

Milhões de estudantes do País estão voltando às aulas. A animação e algazarra nas classes, no entanto, escondem um sério problema: os danos à audição, que podem ser sentidos somente na idade adulta, mas que têm início nos primeiros anos de escola, em meio ao ruído excessivo nas salas de aula.

O "barulho ensurdecedor", reclamação de muitos professores, não é somente um jeito exagerado de se referir ao incômodo. Com o passar do tempo, aluno e professor, expostos diariamente a sons altos, podem ter a audição comprometida, já que a perda auditiva induzida por ruído (PAIR) tem efeito cumulativo.

Quanto maior a frequência a ambientes barulhentos ao longo da vida, maiores as chances de danos. No ambiente escolar, a gritaria da turma, somada aos ruídos que vêm da rua e do trânsito, prejudica o bem-estar de todos, comprometendo não apenas a concentração e aprendizagem, mas também os ouvidos.

A barulheira das crianças frequentemente tem efeito multiplicador. Os alunos vão gritar para fazer ouvir sua voz entre outras crianças barulhentas. O professor, por sua vez, faz tamanho esforço para ser compreendido que também acaba gritando sem perceber. Ao mesmo tempo, outros alunos movem suas cadeiras para a frente e para trás para apanhar um lápis no chão, ir ao banheiro ou simplesmente conversar com o colega de trás. Medidas simples que atenuam o problema são colocar feltro sob mesas e cadeiras escolares; e exigir dos alunos que falem mais baixo - sem esquecer de começar pelo professor.

Estudo realizado pela Universidade de Oldenburg, na Alemanha, confirmou que em muitos colégios o barulho nas salas de aula passa do tolerável. No Brasil, alguns colégios particulares já se preocupam com o tema. É o caso do paulistano Santo Américo, no Morumbi, que conscientiza alunos do 1º ao 9º ano com os chamados "ruidômetros" - cartazes que trazem uma escala subjetiva de barulho que vai de 0 a 10. Quando professor ou aluno fica incomodado com a barulheira, muda o prendedor para os números mais altos para chamar a atenção de todos.

O limite suportável para o ouvido humano é de 65 decibéis, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. Acima disso, o organismo começa a sofrer danos. Para as salas de aula, a Associação Brasileira de Normas Técnicas estipula que o limite tolerado é de 40 a 50 decibéis. Muitas classes, no entanto, atingem 75 decibéis, principalmente as que têm mais de 25 estudantes. Além disso, o barulho no pátio, na hora do recreio, pode chegar a mais de 100 decibéis.

Se pessoas com boa audição são prejudicadas com tanto barulho na escola, imagine um aluno que já sofre de perda auditiva. "Ouvir o professor com tanto ruído ao redor é difícil, mas a tarefa torna-se impossível para uma criança com problemas de surdez. As escolas precisam buscar alternativas para enfrentar o problema", alerta a fonoaudióloga Isabela Gomes, do Centro Auditivo Telex.

Criado pela dinamarquesa Oticon - líder mundial na comercialização de aparelhos auditivos - foi lançado no Brasil o aparelho "Amigo", sistema FM que permite a comunicação direta de professores com crianças e jovens que apresentam problemas auditivos. A nova tecnologia, utilizada dentro das salas de aula, é fundamental para ajudar o aluno com deficiência auditiva a entender com clareza o que o professor está ensinando. O sistema é composto por um microfone (transmissor) e um receptor.

A pessoa que está falando, no caso o professor, utiliza o minimicrofone acoplado à roupa e sua voz é transmitida diretamente para o ouvinte, que é o aluno. Isso ajuda a cortar qualquer efeito negativo de distância, eco ou ruído de fundo, mantendo o sinal da fala original alto e claro.

"Pais e professores precisam estar atentos para problemas de déficit auditivo de seus filhos e alunos, que muitas vezes passam despercebidos. É necessário medir a audição das crianças, principalmente no início da fase escolar, para evitar problemas de aprendizagem, futuros danos auditivos ou mesmo o agravamento de distúrbios já existentes", aconselha a especialista Isabela Gomes.

JB Online JB Online