1 evento ao vivo

Estudo: castração química aumentaria tolerância a transplante

15 jun 2011
15h01
atualizado às 16h36

A redução na produção de hormônios sexuais poderia ajudar a aumentar a tolerância no transplante de órgãos em pacientes de idade avançada, constata um artigo publicado nesta quarta-feira na revista Science Translational Medicine.

O estudo, liderado pelo pesquisador Gaoping Zhao da Universidade de Harvard (EUA) e realizado com ratos, explica como a supressão química de hormônios sexuais diminui a resposta negativa em casos de transplante. "Esta menor reatividade do sistema imunológico pode ser um cenário ideal para obter a ausência de reação perante novos antígenos, que é o objetivo da tolerância em transplantes", indica a pesquisa.

Aparentemente, os sistemas imunológicos mais maduros costumam reagir muito mal aos transplantes e facilitam a ocorrência de infecções e a rejeição aos novos órgãos. A equipe de Gaoping Zhao descobriu que este problema pode estar relacionado ao encolhimento do timo, principal produtor de células imunológicas T.

Em princípio, os pesquisadores se centraram em ratos adultos que custavam a aceitar transplantes de coração a longo prazo. Após praticar a castração cirúrgica, os ratos apresentaram uma maior aceitação dos enxertos a longo prazo e uma restauração das células do timo.

Posteriormente, os pesquisadores começaram a aplicar um procedimento menos invasivo de manipulação química dos níveis de hormônios sexuais através do fármaco leuprolida e observaram efeitos de aumento da tolerância a novos órgãos.

A leuprolida, até agora utilizada no tratamento do câncer de próstata, interrompe temporariamente a função da gônada nos homens e parece, deste modo, facilitar níveis de rejeição mais baixos nos transplantes em pacientes de idade avançada.

O primeiro americano a receber um transplante total de rosto fez sua primeira aparição pública após a cirurgia no dia 9 de maio de 2011
O primeiro americano a receber um transplante total de rosto fez sua primeira aparição pública após a cirurgia no dia 9 de maio de 2011
Foto: Reuters
EFE   

compartilhe

publicidade
publicidade