2 eventos ao vivo

Cientistas descobrem primo de Tiranossauro com penas na China

Cientistas descobrem primo de Tiranossauro com penas na China

4 abr 2012
12h16
atualizado às 14h37
  • separator
  • comentários

No reino dos dinossauros, o lendário Tiranossauro acaba de ganhar um primo coberto de penas. Com 9 m de comprimento e cerca de 1,4 t é o maior animal já identificado com plumas. Cientistas chineses e canadenses encontraram três esqueletos deste novo tipo de "tiranossauro gigante" nos fabulosos sítios paleontológicos da província de Liaoning, no nordeste da China.

O primo do Tiranossauro possuía "penas filamentosas" com um comprimento de pelo menos 15 cm, segundo informaram os paleontólogos. "Elas pareciam mais com a penugem de um pinto moderno do que com as plumas rígidas de um pássaro adulto", disse o professor Xing Xu, especialista em vertebrados no Instituto de Paleontologia de Pequim, que conduziu o estudo publicado nesta quarta-feira na revista britânica Nature .

Devido as suas características físicas, foram batizados por seus descobridores de Yutyrannus huali , que significa "tirano de belas plumas" em uma mistura de mandarim chinês e latim. O tamanho do Yutyrannus huali é muito inferior ao do Tiranossauro rex , mas seu peso é 40 vezes mais elevado do que o maior dinossauro com penas conhecido até hoje, o Beipiaosaurus.

A presença de plumas em um Tiranossauro, mais associadas a uma função de isolamento térmico do que à capacidade de voar, não devia ser necessária para o maior deles. "Os grandes animais geralmente conseguem conservar o calor mais facilmente, mas, por outro lado, têm um maior potencial para desenvolver problemas de superaquecimento", explicou o Dr. Corwin Sullivan, um paleontólogo canadense que participou do estudo.

Os paleontólogos determinaram anteriormente que "alguns grandes mamíferos eram quase sem pelos porque neles, a relação superfície/volume permitia reter o calor corporal mesmo sem pelagem", lembra o estudo. "O caso do Yutyrannus, cujo corpo era, talvez, apenas parcialmente coberto com penas", pode refletir uma adaptação a um ambiente frio incomum, afirma o estudo. Ele viveu durante o período Cretáceo Inferior (146 a 100 milhões de anos), que acredita-se ter sido muito mais frio do que o restante do Cretáceo", 10°C contra 18°C em média.

O estudo revela mais um novo elemento sobre a evolução dos primeiros animais com penas. É possível que a dimensão e a natureza da plumagem "tenham evoluído de acordo com as mudanças de massa corporal e da temperatura do ambiente", acreditam os pesquisadores. "É possível que as penas fossem mais amplas, pelo menos nos carnívoros", disse o Dr. Xu.

Pode-se até considerar, de acordo com o estudo, que o Tiranossauro e seus parentes tiveram penas em partes do corpo. Além disso, após a descoberta, na mesma região, do Sinotyrannus, outro primo do T-Rex foi encontrado, este estudo demonstra que os tiranossauróides eram os predadores dominantes dos ecossistemas nordeste da China durante o Cretáceo.

Ilustração mostra a nova espécie de dinossauro com penas descoberta na China
Ilustração mostra a nova espécie de dinossauro com penas descoberta na China
Foto: AFP
AFP   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade