0

Cientistas apresentam maior mapeamento do cérebro humano

19 abr 2011
12h57

Após mais de 4 anos de pesquisa, cienstistas do Allen Institute for Brain Science apresentaram o maior mapeamento computadorizado de uma cérebro, em Washington, nos Estados Unidos. Eles desenvolveram uma ferramenta interativa, denominada Atlas do Cérebro Humano, que irá ajudar a entender como um cérebro funciona e pode abrir caminho para novas descobertas em relação a doenças e tratamentos.

Cientistas usaram o RNA para obter uma leitura de 25 mil genes do genoma humano
Cientistas usaram o RNA para obter uma leitura de 25 mil genes do genoma humano
Foto: Allen Institute for Brain Science / Divulgação

"Até agora, um mapa definitivo do cérebro humano, com este nível de detalhamento, não existia", disse Allan Jones, CEO do instituto.

As informações utilizadas para construí-lo vêm de análises de dois cérebros humanos, por meio de obtenção de imagens por ressonância magnética e uma variação dessa técnica chamada de "imagem de tensor de difusão". Jones relatou ainda que os cérebros foram fatiados em pequenos pedaços e deles foi extraído ácido ribonucleico (RNA), que por sua vez foi utilizado para obter uma leitura de 25 mil genes do genoma humano.

Toda informação foi então conectada para criar um mapa detalhado do cérebro.

Os pesquisadores descobriram 94% de similaridade bioquímica entre os dois cérebros e que ao menos 82% de todos os genes humanos estão expressos no cérebro.

Ambos os cérebros utilizados no projeto de US$ 55 milhões eram masculinos. Isso se deve, segundo Jones, ao fato de que os cérebros escolhidos precisam que seus donos tenham morrido de maneira acidental ou de parada cardíaca, dois casos que afetam mais os homens que as mulheres. Entretanto, o cientista diz que atualmente o projeto está analisando um cérebro feminino, e, posteriormente, a ferramenta vai permitir que no mínimo 10 cérebros sejam analisados durante o processo.

"O Atlas do Cérebro Humano prevê imagens jamais antes vistas do nosso mais complexo e mais importante órgão", finalizou Jones.

Outros pesquisadores estão também tentando mapear conexões neurais em um cérebro de rato, coisa que o MRI não pode fazer. Eles fatiarão o cérebro do roedor através de imagens digitais por meio de um microscópio eletrônico automatizado. Um computador irá ler as imagens, traçar o contorno de células nervosas e empilhar as fotos em uma reconstrução 3D. Mapas como esses têm potencial ilimitado na descoberta de drogas e genética humana e podem ser um passo grande na luta contra o vício em drogas e contra doenças como esclerose múltipla e mal de Parkinson.

Fonte: Terra
publicidade