PUBLICIDADE

Ártico: água mais quente em 2 mil anos ameaça ursos polares

1 fev 2011 12h58
Publicidade

Cientistas da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, descobriram que a água que vai do Atlântico Norte e deságua no Ártico está em seu nível mais quente dos últimos dois mil ano. O derretimento do gelo causado pela temperatura da água vem forçando ursos polares a nadar distâncias cada vez maiores para encontrar um lugar para descansar e caçar.

Os cientistas temem que os picos de temperatura podem levar a um Ártico sem gelo nos próximos anos e que isso poderia pôr em risco os ursos polares
Os cientistas temem que os picos de temperatura podem levar a um Ártico sem gelo nos próximos anos e que isso poderia pôr em risco os ursos polares
Foto: Getty Images

O mar na Corrente do Golfo, entre a Groelândia e o arquipélago norueguês de Svalbard, alcançou uma média de 6ºC nos últimos verões, mais quente do que nos picos naturais durante a época medieval ou romana.

Os cientistas temem que os picos de temperatura podem levar a um Ártico sem gelo nos próximos anos e que isso poderia pôr em risco os ursos polares, que precisam do gelo para sobreviver. Essas mudanças também poderiam causar a elevação do mar em todo o mundo e mudanças drásticas para o ambiente, segundo os pesquisadores.

O grupo de pesquisadores examinou minúsculos organismos de plâncton no fundo do mar do estreito de Fram, que é o principal transportador de águas quentes para o Ártico. Eles descobriram que há 2 mil anos a temperatura da água do Ártico era em média 3,4ºC, mas que agora subiu para 5,2ºC. Algumas temperaturas do verão foram ainda maiores, atingindo 6ºC às vezes.

O efeito tem sido evidente e acentuada - de acordo com a Universidade do Colorado o nível de gelo no Ártico ficou entre o mais baixo registrado em 2009. Além disso, entre 1979 e 2009, uma área maior do que o Estado do Alasca desapareceu.

O co-autor do estudo, Thomas Marchitto, disse que a água do mar fria ¿é fundamental para a formação de gelo do mar, o que ajuda a resfriar o planeta ao refletir a luz solar de volta ao espaço¿. Marchitto disse que o estudo não prova necessariamente se a mudança é causada pelo homem, mas afirma que este é um evento incomum.

A história recente de um urso polar que nadou constantemente durante nove dias e percorreu 687 km tem sido citada pelos observadores como um sinal do perigo devido ao derretimento do gelo. O animal completou a incrível façanha no mar de Beaufort, no Alasca (EUA), mas o seu filhote não conseguiu.

Fonte: Terra
Publicidade