0

Aids: 1º caso teria sido em caçador de chimpanzés em 1908

23 fev 2015
09h52
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A propagação do vírus mortal da Aids teria iniciado depois de um caçador de chimpanzés ter sido infectado em Camarões, no ano de 1908, de acordo com um novo estudo publicado no livro "O chimpanzé e o rio: como a Aids surgiu a partir de uma floresta tropical Africana", de David Quammen. As informações são do The Mirror.

<p>Aids n&atilde;o &eacute; uma &quot;doen&ccedil;a moderna&quot;:&nbsp;livro afirma que j&aacute; era presente na &Aacute;frica na&nbsp;virada do s&eacute;culo 20&nbsp;</p>
Aids não é uma "doença moderna": livro afirma que já era presente na África na virada do século 20 
Foto: The Mirror / Reprodução

O caçador teria sido ferido e infectado enquanto monitorava o animal no sudeste do país e teria sido, portanto, a primeira pessoa conhecida por portar a doença. 

Segundo o estudo, apesar de as notícias apontarem o comissário de bordo gay canadense Gaetan Dugas como responsável pela propagação da doença na América, sendo considerado o "Paciente Zero", a África pode ter tido diversos casos anteriores a este, ainda no começo do século 20. No entanto, com um sistema de saúde precário, a doença não teria sido registrada ou reconhecida pelos médicos no continente africano.

Segundo foi registrado, a doença passou a se espalhar 60 anos depois do caçador no Camarões, quando mulheres infectadas teriam ganhado cerca de US$ 3 (quase R$ 7) para doar sangue em uma pequena vila haitiana em 1969; os fluidos foram encaminhados para Miami para a realização de transfusões.

Médicos de San Francisco, então, foram os primeiros a notar a propagação da gripe como sintomas entre os homossexuais na cidade - que levou a uma série de mortes. Após milhares de casos nos EUA, a doença se espalhou rapidamente para o Reino Unido e na Europa.

Nos últimos 35 anos, a Aids já matou mais de 39 milhões de pessoas no mundo. 

Veja também:

Como usar uma máscara facial corretamente
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade