inclusão de arquivo javascript

 
 

Nasa estuda os efeitos da gravidade artificial

07 de fevereiro de 2003 17h05 atualizado às 17h34

Girando pessoas em uma centrífuga gigante por 22 horas, um pesquisador da Nasa está aprendendo mais sobre os estranhos efeitos da gravidade artificial nos humanos.

Durante os últimos anos, Malcolm Cohen, chefe do Departamento de Pesquisa de Informações Humanas tem girado pessoas em uma impressionante roda. Ele vem estudando engenheiros, alpinistas, professores e voluntários pagos que ficam por mais de 22 horas girando na enorme roda.

"A força empregada pode ser de até 3-G, ou três vezes a força normal da gravidade", disse Cohen. O objetivo é aprender como os humanos se ajustam a mudanças de gravidade, particularmente forte gravidade.

A Nasa está interessada porque não é apenas a microgravidade que os astronautas experimentam no espaço. Eles ficam expostos a hipergravidade também: além de 3.2-G no lançamento e 1.4-G na reentrada. "Nessas condições fluidos pesam mais", disse o cientista.

O coração tem que mudar o modo como opera, bombeando mais rápido e trabalhando mais para mandar sangue até o cérebro. Isso pode causar tonturas e, em casos extremos, desmaios.

Girando pessoas na centrífuga, Cohen espera aprender se a resposta do coração pode ser condicionada. Talvez se os astronautas fossem expostos a doses controladas de hipergravidade antes do lançamento e da reentrada, ele pudessem ser capazes de tolerar altas forças G melhor dos que as outras pessoas.

Viagens mais fáceis ao espaço não são o único potencial benefício. Aqui na Terra, hipergravidade pode ser usada para treinar atletas, simulando um ambiente em que os exercícios pudessem ser conduzidos para obter mais benefícios em tempo mais curto. Pessoas que sofrem de atrofia muscular poderiam exercitar seus músculos de maneira mais efetiva.

Força centrífuga pode ser a chave também para longas viagens espaciais. Isso porque a microgravidade causa a deterioração do corpo de diversas formas: baixo condicionamento cardiovascular, perda de massa muscular, perda da densidade óssea e uma série de outros problemas. Gravidade artificial poderia prevenir tudo isso e centrifugação é uma maneira plausível de gerar gravidade artificial.

Redação Terra