1 evento ao vivo

Nobel de Física: Brasil levar prêmio é como EUA quererem Copa do Mundo

16 mar 2012
09h18
atualizado em 28/9/2013 às 12h21
  • separator
  • comentários

Enquanto o Brasil ainda persegue um Nobel que possa, de fato, chamar de seu - nascido no País, mas naturalizado britânico, Peter Medawar ganhou o de Medicina em 1960 -, os Estados Unidos empilham prêmios como quem ganha medalhas em olimpíadas escolares. Das 10 universidades com mais cientistas condecorados, apenas duas não são americanas. Na última edição, foram seis cidadãos do país agraciados. Entre eles, o professor de astronomia e física da Universidade Johns Hopkins Adam Riess, vencedor na categoria Física, que em entrevista exclusiva ao Terra projetou uma conquista brasileira. Mas não tão cedo.

"Meus objetivos eram bem mais baixos, como 'meu Deus, espero que possa conseguir um emprego um dia'", diz Riess, vencedor do Nobel de Física 2011
"Meus objetivos eram bem mais baixos, como 'meu Deus, espero que possa conseguir um emprego um dia'", diz Riess, vencedor do Nobel de Física 2011
Foto: Carla Ruas / Especial para Terra

Veja fatos e curiosidades sobre o Prêmio Nobel
Teste seus conhecimentos sobre o Nobel

"É como se os Estados Unidos quisessem ganhar a Copa do Mundo de futebol. Vai precisar de gerações de jogos, treinos e ensinamentos até isso acontecer", compara, destacando que só ganhou porque teve muita dedicação, investimento e apoio da comunidade científica.

Confira a seguir a entrevista completa com Riess.

Terra - Quão inovadora tem de ser uma pesquisa par ganhar um Prêmio Nobel de ciência?
Adam Riess -
No caso da Física, você tem que descobrir uma física nova, ou alguma coisa que seja muito fundamental. Não importa tanto descobrir detalhes, mas mudar a forma como se percebe o mundo, o modelo e paradigma que se tem, e por isso tem que ser muito significativo. Não acho que precise mudar a vida das pessoas ou gerar algum tipo de tecnologia nova, mas gerar uma mudança bastante fundamental, profunda e de longo alcance.

Terra - Como a sua pesquisa contribuiu para uma nova visão de mundo?
Riess -
O que realmente ganhou o Prêmio Nobel foi ver que a expansão do universo está acelerando, e para que isso aconteça, sabemos que a física que conhecemos não podia ser toda a história. Nossa pesquisa descobriu que há uma Energia Escura no universo, o que significa que há energia no vácuo do espaço. E de acordo com a teoria de relatividade de Einstein, isso causaria uma gravidade repulsiva no espaço para expandir o universo. Se fosse só isso, já seria uma descoberta incrível. Mas também significa que ainda há uma física que não entendemos. Então minha pesquisa foi vista como uma física nova, de longo alcance, e acho que foi por isso que ganhamos.

Terra - Quanto tempo demorou desde que você começou a estudar até ganhar o Prêmio Nobel?
Riess -
É engraçado porque a partir do momento em que comecei a estudar até fazer a descoberta foi um período muito curto. Fiz pós-graduação quando tinha 22 anos, e realmente não comecei a trabalhar em qualquer coisa até os 23, 24 anos. E nós fizemos a descoberta quando eu tinha 28, o quê, para mim, parece incrível. Mas eu ganhei o Nobel com 41, então, se passaram 13 anos desde a descoberta. A maior parte deste período foi o tempo que demorou para as pessoas verificarem se era tudo verdade. E isso é normal. A média de tempo entre a descoberta até ganhar o Prêmio Nobel é de 15 anos. Eles querem ter certeza de que está tudo certo.

Terra - Ganhar o Prêmio Nobel era um objetivo de carreira?
Riess -
Não. Nunca esteve no meu radar. Nem pensei que poderia ganhar. Meus objetivos eram bem mais baixos, como 'meu Deus, espero que possa conseguir um emprego um dia' ou 'eu realmente gostaria de ensinar numa universidade'. Meus sonhos eram muito modestos.

Terra - Você ficou surpreso ao ganhar?
Riess -
Sabe que é engraçado? Fiquei surpreso porque nós fizemos algo que poderia ganhar. Mas depois de tantos anos, com pessoas dizendo a você que pode ganhar o Prêmio Nobel, e lendo listas de 'pessoas que podem ganhar o Prêmio Nobel' com seu nome, por um lado te convence que isso pode acontecer. Por outro lado, você sabe como, em jogos de beisebol, as vezes os jogadores batem a bola para as arquibancadas? Quando você é criança sonha que vai pegar uma bola dessas. Mas as chances de que a bola venha para você é de 1 em 60 mil. Me sinto como se tivesse ido a um jogo, rindo do fato de que trouxe uma luva para pegar a bola, e de repente bateram a bola direto para mim. E mal posso acreditar que isso aconteceu.

Terra - O Brasil tem uma expectativa de ganhar o Prêmio Nobel, uma vez que tem investido mais em pesquisa científica nos últimos anos. Além de investimento, o que é preciso para ganhar?
Riess -
Acho que precisa pessoas, não apenas dinheiro. É preciso gerações de cientistas para eventualmente gerar uma curiosidade de pesquisa científica. Não adianta sentar e dizer: vamos ganhar um Prêmio Nobel, o que devemos fazer primeiro? Mas eu acho que quando você tem uma comunidade científica vibrante, de pessoas que estão trocando informações e interagindo, eventualmente isso acontece. E se você analisar os vencedores do Prêmio Nobel, você vai ver que era este o ambiente em que trabalhavam. Tem que ter paciência. É como se os Estados Unidos estivessem querendo ganhar a Copa do Mundo de futebol. Vai precisar gerações de jogos, treinos e ensinamentos até isso acontecer.

Terra - O governo brasileiro tem um novo programa, Ciência sem Fronteiras, que promove um intercâmbio de estudantes para que se exponham a outras comunidades científicas pelo mundo. O quanto isso pode contribuir?
Riess -
Isso é muito importante. Pessoas diferentes trazem perspectivas diferentes e novas soluções para os problemas. Nem tudo é publicado nos artigos que você pode apenas ler. Tem também que conversar com as pessoas. Especialmente se você é o novo na vizinhança. Você definitivamente tem de sair mais e conversar com os vizinhos. E assim descobrir novas abordagens.

Terra - Mas há críticos que dizem que o Brasil deve se concentrar em resolver alguns dos problemas do País, como o sistema público de saúde, por exemplo, em vez de financiar programas de fomento a ciência. O mesmo poderia ser dito sobre os Estados Unidos. Qual você acha que deve ser o equilíbrio?
Riess -
Entendo que, em geral, você tem de investir na solução de problemas. Quando você faz isso, tem de investir numa ampla gama de programas diferentes, porque você não sabe quais serão bem-sucedidos. Então, acho que é saudável fazer um pouco de ambos - ciência e saúde pública, por exemplo. Por que se você investir em um grupo de pessoas que estão interessados em cosmologia você pode ter resultados muito gratificantes. E o Brasil tem uma comunidade científica muito forte e interessante. Eu sei, pois tivemos muitos estudantes brasileiros por aqui. E, por isso, o dinheiro que você investir será muito bem aproveitado.

Fonte: Especial para Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade