0

Nasa: cometa 'apocalíptico' se fragmentou e está insignificante

26 out 2011
15h23
atualizado às 15h33

As últimas observações do cometa Elenin feitas pena Nasa - a agência espacial americana - indicam que a pedra de gelo se fragmentou em pedaços menores que são ainda menos significantes, anunciou a agência na terça-feira. A nuvem formada pelos restos do Elenin continuará o caminho original previsto através do Sistema Solar. Após isso, levará 12 mil anos para que vejamos novamente o cometa - ou o que sobrou dele.

O Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês), uma das mais importantes instituições de pesquisa científica do planeta, escolheu as 100 melhores fotos que já produziu. Além de imagens do espaço, o ESO também selecionou imagens de suas impressionantes instalações e concepções artísticas de descobertas astronômicas. Por motivos estéticos, não começamos pelo número 100, e sim pelo 99, que mostra o brilho da Nebulosa da Lagoa. Confira todas as imagens
O Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês), uma das mais importantes instituições de pesquisa científica do planeta, escolheu as 100 melhores fotos que já produziu. Além de imagens do espaço, o ESO também selecionou imagens de suas impressionantes instalações e concepções artísticas de descobertas astronômicas. Por motivos estéticos, não começamos pelo número 100, e sim pelo 99, que mostra o brilho da Nebulosa da Lagoa. Confira todas as imagens
Foto: ESO/IDA/Danish 1.5 m/ R. Gendler, U.G. Jørgensen, K. Harpsøe / Divulgação

Saiba a diferença entre cometa e asteroide

O cometa foi descoberto em dezembro pelo astrônomo russo Leonid Elenin, da cidade de Lyubertsy. Desde então, Elenin (também conhecido pelo nome astronômico C/2010 X1) ficou conhecido na internet devido a especulações que diziam que a pedra de gelo seria responsável por desastres no nosso planeta - até terremotos - por causa do efeito gravitacional que ele exerceria. Os principais boatos foram refutados pela Nasa (leia mais aqui ).

O cometa passou "próximo" à Terra em 16 de outubro e não fez nenhum estrago. "Elenin fez o que os novos cometas que passam próximos ao Sol fazem em 2% das vezes: ele quebrou", diz Don Yeomans, do Programa de Objetos Próximos à Terra, da Nasa. Antes de se fragmentar, o cometa tinha cerca de 2 km de poeira e gelo.

Terra

compartilhe

publicidade
publicidade