0

Múmias de 4 mil anos revelam que humanos já sofriam de arterioesclerose

11 mar 2013
19h04
atualizado às 20h00

Uma pesquisa sobre múmias de mais de 4 mil anos revela que os humanos da pré-história já sofriam de arteriosclerose, doença relacionada até então com o estilo de vida moderno.

A revista científica britânica "The Lancet" publicou nesta segunda-feira os resultados de um grupo internacional de cientistas que realizaram uma pesquisa com 137 múmias de diferentes lugares do mundo.

Mais de um terço das múmias examinadas com tomografia axial computadorizada (TAC) - especificamente 47, 34% - mostravam sinais de calcificação vascular, causa da arteriosclerose, hoje associada à obesidade, ao tabaco e à falta de exercícios.

Além disso, os cientistas descobriram, através da análise da estrutura óssea das múmias, que a idade no momento da morte estava relacionada com a presença e o alcance da arteriosclerose.

A descoberta sugere que "nosso entendimento das causas da arteriosclerose é limitado e que a doença pode ser inerente ao envelhecimento humano", segundo Randall Thopmson, do Saint Luke's Mid America Heart Institute no Kansas (EUA).

As múmias estudadas eram de regiões diferentes do mundo, como o Egito, o Peru, o sudoeste dos Estados Unidos e as Ilhas Aleutianas, no Alasca.

"O fato de termos encontrado níveis semelhantes de arteriosclerose em todas as culturas que analisamos indica que a doença pode ter sido mais comum na antiguidade do que tínhamos imaginado", ressaltou Thompson.

Nem todas as múmias investigadas conservavam a estrutura arterial, mas em algumas havia uma placa calcificada no local onde ficavam as artérias, por isso os especialistas apontaram a um caso provável de arteriosclerose.

Apesar de estudos anteriores encontrarem sinais dessa doença em múmias egípcias, essa é a primeira pesquisa que busca sinais de arteriosclerose em culturas assentadas em diferentes lugares e com estilos de vida diferentes.

O descobrimento refuta a ideia segundo a qual a prevalência de arteriosclerose nas múmias egípcias tinha a ver com o alto status social dos indivíduos, cuja dieta poderia haver sido rica em gorduras saturadas, elevando o risco de padecer a doença.

"As múmias não egípcias que estudamos haviam sido preservadas naturalmente devido às condições meteorológicas, por isso assumimos que estas múmias representam praticamente todos os setores da população, ao contrário da elite social que era mumificada no Antigo Egito", disse Thompson.

EFE   
publicidade