Experiências de quase-morte são fenômenos biológicos

11 de abril de 2006 • 14h07 • atualizado às 17h23

Um pesquisador britânico publicou nesta terça-feira os resultados de suas pesquisas sobre experiências de quase-morte. Para o neurologista Kevin Nelson, da Universidad de Kentucky, em Lexington, nos Estados Unidos, esse é um fenômeno puramente biológico, que nada tem a ver com crenças religiosas.

"Eu vejo essas experiências como a ativação de certas regiões do cérebro, que também são ativadas quando sonhamos", disse ao jornal britânico Daily Telegraph. Além disso, pessoas que tiveram experiências de quase-morte são capazes de sonhar com mais freqüência do que os outros.

O estudo foi publicado pela revista Neurology, da Academia Americana de Neurologia. "Todavia, eu hesito em chamar isso de 'sonho' ou 'sonhar acordado'. Esta é a primeira hipótese testável para uma base biológica sobre essas experiências", ressaltou.

Para seu estudo, uma experiência de quase-morte é definida como o período, durante um episódio de ameaça de morte, em que uma pessoa tem vários sentimentos, como a sensação de estar fora de seu corpo, atenção incomum, percepção de luzes muito intensas e um sentimento de paz. Durante a pesquisa foram comparados 55 pessoas que tiveram estas experiências com 55 pessoas do mesmo sexo e idade que nunca as tiveram.

Foi descoberto que nas pessoas que já passaram por um episódio desses o limite entre os estados 'desperto' e 'dormindo' são mais difusos, e o estado de sonho - quando há o chamado REM (movimento rápido do olho, em português) - pode interferir na consciência.

Pessoas que sofrem uma intromissão do REM geralmente acordam e sentem que não podem se mover - a chamada paralisia do sono -, sofrem repentinas fraquezas nos músculos das pernas, e ouvem sons que outras pessoas não ouvem, geralmente logo antes de conciliar o sono ou logo após acordar.

Entre as pessoas que tiveram experiências de quase-morte, 60% acusaram intromissões do REM, enquanto que apenas 24% do outro grupo demonstrou os mesmos sintomas. "Estas descobertas sugerem que o estado de intromissão do REM contribuem para experiências de quase-morte", disse Nelson.

Nelson citou outro fator que apóia sua tese. Como o corpo desliga a habilidade de se mover durante o sonho, os músculos podem perder sua força. "Durante uma crise de intromissão do REM, essa falta de potência muscular pode reforçar a sensação de estar morto, além de trazer a impressão de morte para outras pessoas", disse.

Redação Terra
 
Enviar para amigos
Fechar por:
Enviar para amigos
Fechar por:

Imprimir

Fechar
Mais vistos

Notícias

  1. Carregando...
leia mais notícias »