Cientistas questionam incompatibilidade entre ciência e fé

16 de junho de 2009 • 17h03 • atualizado às 17h17

Philip Ball

O aniversário de 50 anos do famoso "As Duas Culturas", de C.P. Snow, provocou visões mistas. Alguns sentem que a divisão entre as ciências e as humanidades ainda é tão ampla e desconfortável quanto era em 1959; outros dizem que o mundo já a superou. Mas talvez precisemos, ao invés disso, reconhecer que as divisões de hoje existem entre duas culturas bastante diferentes.

Na minha mente, a mais problemática delas é a distinção entre aqueles que acreditam no valor do conhecimento e do aprendizado, sejam artistas, cientistas, historiadores ou políticos, e aqueles que rejeitam, ou mesmo difamam, o intelectualismo nos assuntos mundiais.

Mas outros sentem que a mais séria disparidade está entre aqueles que confiam na ciência e no racionalismo iluminista, e aqueles que são guiados pelo dogma religioso. Esse sentimento aparentemente motivou o recente lançamento do Reason Project, uma iniciativa organizada pelo neurocientista e escritor Sam Harris, que ostenta um comitê consultivo de estrelas, incluindo Richard Dawkins, Daniel Dennett, Steven Weinberg, Harry Kroto, Craig Venter e Steven Pinker, além de Salman Rushdie, Ayaan Hirsi Ali e Ian McEwan.

O projeto tem o objetivo de "espalhar o conhecimento científico e os valores seculares pela sociedade" e busca "incentivar o pensamento crítico e diminuir a influência do dogmatismo, da superstição e do fanatismo em nosso mundo."

Guerra e Paz
É fácil concordar que o uso (ou, de modo geral, abuso) da religião para justificar a supressão de direitos humanos, maus tratos e assassinatos é abominável. O fato disso ser tratado pelo projeto é louvável. Mas com Dawkins ("Deus, um Delírio") e Christopher Hitchens ("Deus Não É Grande") no comitê, não há como deixar de suspeitar que o Grande Poderoso é o alvo principal.

Esse debate agora tende a se agrupar em dois campos. Um, exemplificado pelo Reason Project, insiste que ciência e religião são fundamentalmente incompatíveis, e que o mundo não é grande o bastante para ambas.

O outro lado é exemplificado por outro projeto recentemente lançado, o BioLogos Foundation, estabelecido pelo ex-líder do Projeto do Genoma Humano, Francis Collins. Sob esta visão, ciência e religião podem e devem fazer as pazes: não há razão para elas não coexistirem. A missão do BioLogos fala da "cultura de guerra em ascensão na América entre a ciência e a fé", e explica que a fundação "enfatiza a compatibilidade da fé cristã com o que a ciência descobriu sobre a origem do universo e da vida."

O BioLogos é financiado pela Fundação Templeton, que similarmente busca identificar um denominador comum entre ciência e religião. Para os ateus militantes, isso é puro apaziguamento.

É isso que o biólogo evolucionário Jerry Coyne, membro do comitê do Reason Project, lamenta em um ensaio chamado "Truckling to the faithful: A spoonful of Jesus helps Darwin go down" (submetendo-se aos fiéis: uma colherada de Jesus ajuda a afundar Darwin). Coyne acusa a Academia Nacional de Ciências dos EUA, e especialmente o Centro Nacional para Educação Científica, de agradar as massas religiosas.

Céu para os ateus
O que o Reason Project tem a seu favor é o rigor filosófico. Isso também pode ser sua falha, porque parece improvável que ele se aventure além desses muros. Como a maioria das idéias utópicas, o absolutismo ateísta funciona desde que ele ignore como as pessoas são e permaneça em um vácuo cultural e histórico. Ordem lógica e autoconsistência não são, infelizmente, suficientes.

Fico feliz pelas pessoas se engajarem na exposição do fanatismo e da opressão. Se alguns escolhem focar em instâncias nas quais essas coisas têm motivação religiosa - bem, por que não? Mas parece importante reconhecer que o suposto conflito entre ciência e fé não é, na verdade, tão importante.

O que é importante é a força relativamente recente da oposição fundamentalista a aspectos específicos do pensamento científico, o que fez dos Estados Unidos e da Turquia os dois países ocidentais com a menor proporção da população que acredita na evolução.

Em outras palavras, isso não é uma questão de ciência versus fé, mas de rejeição de idéias científicas que desafiam estruturas de poder. Afinal, o fundamentalismo raramente se opõe à tecnologia por si só, e na verdade é muitas vezes perturbadoramente ávido por adquiri-la. Isso não minimiza o problema, mas reconhecê-lo pelo que ele é irá evitar falsas dicotomias e talvez facilitar a descoberta de soluções.

Por isso, existe pouco a se ganhar com a tentativa de derrubar o templo - os falsos pregadores é que são a ameaça. Se pudermos reconhecer que a religião, como qualquer ideologia, é uma construção social - com benefícios, perigos, invenções arbitrárias e, acima de tudo, raízes na natureza humana -, então poderemos renunciar a muitos argumentos vazios e voltar às maravilhas terrenas da bancada do laboratório.

Tradução: Amy Traduções

Nature
 
Enviar para amigos
Fechar por:
Enviar para amigos
Fechar por:

Imprimir

Fechar
Mais vistos

Notícias

  1. Carregando...
leia mais notícias »