Descoberto "elo perdido" entre foca e antepassado terrestre

22 de abril de 2009 • 16h38 • atualizado às 17h36
Concepção artística mostra como seria a foca de quatro patas, possível ancestral terrestre das focas Foto: AP
Concepção artística mostra como seria a "foca de quatro patas", possível ancestral terrestre das focas
22 de abril de 2009
Foto: AP

O fóssil de um tipo de "foca de quatro patas", apresentado como o elo perdido na evolução de alguns mamíferos terrestres para os animais marinhos carnívoros atuais, foi encontrado no Ártico canadense, anunciou nesta quarta-feira uma equipe de cientistas do Canadá.

O esqueleto deste animal, de 110 cm de largura do focinho à calda, foi descoberto no local de um antigo lago formado em uma cratera de meteorito na ilha Devon, no território canadense de Nunavut, a 1,5 mil km do Pólo Norte. A descoberta, de cerca de 20 a 24 milhões de anos, é o fóssil mais antigo de um pinípede (mamíferos marinhos de vida anfíbia, como as focas, os leões marinhos e as morsas), indicaram os cientistas. O relatório será divulgado nesta quinta-feira na revista científica Science.

Os cientistas recuperaram 65% do esqueleto desse animal, de crânio parecido com o de uma foca e corpo similar ao de uma nútria, e cuja conservação foi favorecida pelos sedimentos do antigo lago de água doce. Esta descoberta "mudou nosso conhecimento de como e onde ocorreu a evolução desse animal", disse Natalia Rybczynski, paleontóloga do Museu da Natureza canadense e chefe da equipe de cientistas.

"Sabíamos que os pinípedes descendiam de um antepassado terrestre, mas não tínhamos ideia de como havia ocorrido essa transição da terra para o mar", indicou. Segundo a cientista, a descoberta, realizada em 2007, refuta a teoria que prevalecia até agora, segundo a qual as focas eram originárias da costa noroeste da América do Norte.

Também leva a crer que as focas possuem grandes olhos para caçar na escuridão do inverno ártico, e não para enxergar melhor nas profundezas do mar, como se pensava. A "foca de quatro patas" foi batizada Puijila darwini, com a associação de uma palavra que significa jovem mamífero marinho em inuktitut, língua dos esquimós, com o nome do pai da teoria da evolução, Charles Darwin.

Darwin havia mencionado a existência de "uma forma animal de transição entre a terra firme e o mar" em seu livro "A origem das espécies", publicado há 150 anos, destacou a equipe científica em um comunicado.

AFP - Todos os direitos de reprodução e representação reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.
 
Enviar para amigos
Fechar por:
Enviar para amigos
Fechar por:

Imprimir

Fechar
Mais vistos

Notícias

  1. Carregando...
leia mais notícias »