Estudo: alimentos descartados tem mais nutrientes

06 de outubro de 2008 • 16h06 • atualizado às 16h06

Um cardápio no qual se aproveitam talos, cascas e folhas pode parecer estranho. Mas um estudo concluído recentemente pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), encomendado pelo Sesi-SP, pode fazer com que as donas-de-casa revejam a atitude de jogar fora essas partes ¿não-convencionais¿ de frutas, verduras e legumes.

» Alimentos crus evitariam doenças
» Comer brócolis ajuda contra câncer
» Dieta: fotografar comida 'é melhor que diário'
» Leia mais notícias do jornal O Dia

A pesquisa analisou 19 alimentos e comprovou que, em muitos casos, os itens geralmente descartadas podem ter tantos ou até mais nutrientes que a polpa e a semente de frutas e das verduras, ou a folhagem de vegetais.

Um dos resultados que mais surpreendeu foi sobre a cenoura. "A rama e a casca são muito mais nutritivas que a polpa. Em 100 gramas da rama há quatro vezes mais proteína, três vezes mais vitamina C e quantidade ainda maior de ferro do que na polpa', destaca a nutricionista Tereza Watanabe, do Sesi/SP.

"O fato é que, nas feiras, os vendedores sempre perguntam se queremos levar cenouras com ou sem rama. A cada dez pessoas, nove preferem sem. Infelizmente falta conhecimento à população", comenta Tereza.

Outro resultado surpreendente é em relação ao potássio. "Geralmente, as pessoas associam a banana como a principal fonte de potássio. No entanto, descobrimos que 100 gramas da casca do pepino é ainda mais rica em potássio que a fruta. Além disso, a casca do pepino é riquíssima em fibras, o que torna a digestão mais fácil", diz Tereza.

A professora da Unesp Giuseppina Pace Pereira Lima destaca que 60% do lixo produzido no Brasil é orgânico. "Nosso lixo é o mais rico do mundo. Não podemos pensar que sementes de abóbora ou folhas do brócolis, por exemplo, são restos jogados fora", diz.

Ela ainda cita que o reaproveitamento de alimentos deveria ser adotado em programas para a população de baixa renda. "Tudo pode ser aproveitado. Além de se diminuir gastos com a alimentação, a saúde do brasileiro só tem a agradecer", finaliza.

A diretora de alimentação do Sesi/SP, Tereza Watanabe, destaca os cuidados com a higienização dos alimentos. "Eles devem ser bem lavados em água corrente e deixados de molho por pelo menos 15 minutos em água clorada", diz.

Mas ela destaca que é preciso ter cuidado na dosagem de cloro. "Deve-se colocar somente uma colher (sopa) de água sanitária (com 2% a 2,5 % de hipoclorito na formulação) para cada litro d¿água", ensina Tereza.

A nutricionista lembra que as cascas e os talos dos alimentos devem ser consumidos de preferência crus. "Ao cozinhá-los, perde-se uma parte dos nutrientes", explica Tereza Watanabe. E ela dá a dica: "As cascas fatiadas ou raladas são ideais para serem adicionadas em saladas".

Já sobre as sementes de abóbora, a especialista destaca que podem ser consumidas como petiscos. "As sementes devem ser assadas no forno. Ficam gostosas e são nutritivas. A concentração de proteínas em 100 gramas de sementes é 10 vezes maior que a da polpa da abóbora".

A enfermeira Isabel da Costa Queiróz garante que em sua casa todas as sobras são aproveitadas. "Picamos os talos dos vegetais e colocamos na salada. A rama da cenoura eu gosto de misturar na sopa. O odor e o sabor ficam mais acentuados", acredita.

A aposentada Adaltina de Menezes Pinheiro também aposta no poder dascascas. "Abóbora só cozinho com a casca. Faz muito bem para o meu intestino. E também faço sucos com cascas de abacaxi", conta.

O Dia - © Copyright Editora O Dia S.A. - Para reprodução deste conteúdo, contate a Agência O Dia.
 
Enviar para amigos
Fechar por:
Enviar para amigos
Fechar por:

Imprimir

Fechar
Mais vistos

Notícias

  1. Carregando...
leia mais notícias »