Descoberta reduz possibilidades de vida em Marte

05 de agosto de 2008 • 01h01 • atualizado às 12h13

A sonda Phoenix Mars Lander pode ter encontrado perclorato, uma substância potencialmente tóxica usada no combustível espacial, nas amostras de solo recolhidas em Marte, disseram cientistas da Nasa na segunda-feira.

» Marte: sonda confirma existência de água
» Marte: aparelho analisa amostra do solo
» Nova imagem mostra melhor gelo
» Cientistas estão certos de que há gelo

A agência espacial ainda vai realizar novos testes para confirmar a presença do material, mas descartou a contaminação do solo pela sonda.

A principal tarefa da Phoenix em Marte é descobrir se há ou houve água líquida em Marte e se existe ou existiu vida por lá, mesmo que microbiana.

Na semana passada, a Nasa divulgou provas supostamente definitivas de que existe água em Marte, resultado de novas análises sobre uma pedra de gelo recolhida em junho.

A Nasa evitou dizer que a presença do perclorato impediria a vida, embora seja sabido que essa substância oxidante é nociva aos humanos sobre certas circunstâncias. Sua presença no solo pode sugerir um ambiente menos hospitaleiro do que os cientistas pensavam.

É surpreendente, já que uma medição anterior (do equipamento chamado Analisador Termal e Gás-Evoluído) do material na superfície era consistente com, mas não conclusivo a respeito da presença do perclorato", disse Peter Smith, cientista-chefe da Phoenix.

"Embora não tenhamos completado nosso processo sobre essas amostras de solo, temos resultados intermediários muito interessantes", acrescentou.

Segundo ele, análises mais detalhadas contrariaram a idéia inicial de que o solo de Marte seria semelhante ao da Terra.

Para excluir a hipótese de que o perclorato tenha sido levado a Marte pela Phoenix, a Nasa está revendo seus processos de controle de contaminação pré-lançamento.

Depois de ter comprovado a existência de água congelada em Marte, a Nasa decidiu prorrogar em cinco semanas a missão da sonda, para que ela também possa buscar condições para o surgimento de vida.

Isso vai acrescentar um custo de cerca de 2 milhões de dólares aos 420 milhões já gastos na missão, que chegou a Marte em 25 de maio e deveria funcionar por três meses.

Em conclusões que foram consideradas "um enorme passo à frente", a Nasa havia revelado em julho a existência de magnésio, sódio, potássio e outros elementos num solo que é mais alcalino do que os cientistas pensavam - e portanto mais propenso à vida.

Reuters - Reuters Limited - todos os direitos reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.
 
Enviar para amigos
Fechar por:
Enviar para amigos
Fechar por:

Imprimir

Fechar
Mais vistos

Notícias

  1. Carregando...
leia mais notícias »